Busca avançada



Criar

História

Vida sustentável: de volta às origens

História de: Maria Lúcia de Souza Vieira
Autor: Museu da Pessoa
Publicado em: 04/02/2022

Sinopse

Maria Lúcia nasceu em Teresina no Piauí, filha de uma família abastada, viu ainda na infância e adolescência a crise econômica de seu pai. Com isso migrou para diversas cidades do Norte. Estudou biblioteconomia, viu-se obrigada a mudar de área e encantou-se com a Geografia. Tem uma forte relação com os rios de nosso país. Migrou para São Paulo onde teve um filho que é muito amado por ela. Maria Lúcia tornou-se professora e passou a lecionar nas redes públicas do estado de São Paulo e para o município de São Paulo. Ao se relacionar com a cidade tem levado a frente as questões de sustentabilidade com o planeta que habitamos.

Tags

História completa

Meu nome é Maria Lúcia de Souza Vieira, eu nasci em Teresina, capital do Piauí, no dia 30 de junho de 1961.

As mulheres de origem negra, de escravos, trabalhavam boa parte no interior de Pernambuco e outra parte no Piauí, ou seja, eu tenho parentes em Pernambuco, Zona da Mata, no estado do Ceará e no estado do Piauí. E os vamos chamar de branco são de origem europeia, holandeses e portugueses. Então pelo lado das mulheres, de origem negra, os homens de origem europeia.

(...) 

 

o meu pai era extremamente machista, autoritário, onde as mulheres não tinham essa liberdade de estudar, era mais para os homens. As mulheres não podiam brincar de bola, pular a cerca, arame farpado, empinar pipa. E eu sempre fui, assim, muito livre, apanhei muito de palmatória por isso. E para estudar foi uma briga muito grande, então no primeiro momento, eu queria ser livre, depois, já na adolescência, eu fui formatando, vamos dizer assim, a questão profissional, ora advogada, ora engenheira, ora guia turística, que é daí que eu fui para Geografia. A Administração de Empresas foi para me manter, ou seja, salário... A gente tem ideia de que administrador, de que o advogado, de que o engenheiro, ganham muito bem. E eu cheguei a trabalhar na área, porém eu me frustrei. Ficar plantada numa sala o dia inteiro, sem ver se choveu, se ver... Eu trabalhei no Shopping Paulista quando eu cheguei aqui a São Paulo, e eu lembro que um dia eu saí do Shopping Paulista e eu fui chorando até a Brigadeiro Luís Antônio, porque choveu e eu não tinha tido o privilégio de ver a chuva. Porque o shopping abre das dez até as dez, só que para quem trabalha essa parte burocrática, você entra, tipo, seis da manhã, cinco horas da manhã, como eu trabalhava ligada à gerência, tinha que receber mercadoria. E o shopping fecha, as pessoas continuam trabalhando ali dentro, então eu me sentia presa, totalmente prisioneira. Por isso Administração de Empresa, apesar de ter sido primeiro lugar na Universidade Federal do Pará, onde eu me formei, eu vi que não era a minha praia, eu ia ser uma administradora frustrada, eu ia entrar em depressão, e aí eu pulei fora, porque eu gosto muito de viver, gosto da liberdade.

 

Ah, os filhos. Eu criei uma menina linda, chamada Carla Gisele, fofa, está casada, me deu uma neta. E sempre, meu sonho é aquilo: arrumar um marido, me casar e ter um monte de filho. Eu nasci para parir. Mas o que aconteceu? Tardiamente, como eu precisava estruturar minha vida financeira, eu também tinha muito medo de acontecer comigo o que aconteceu com a minha mãe, dar conta de seis... Porque o meu pai, num primeiro momento: “Ah, eu vou beber, eu vou curtir, porque eu tenho dinheiro”. Perdeu tudo? “Ah, eu vou continuar bebendo porque agora eu não tenho nada.” Oh, moço, cria vergonha na sua cara. Você coloca seis filhos no mundo e deixa só para uma tomar conta? E a minha mãe sempre foi uma guerreira. Eu pensava assim: gente, como eu vou botar um filho no mundo sem ter estrutura? Eu vou trabalhar. Quando eu perceber, esse é o momento, eu vou ter esse filho. Lógico, que eu achei que era o momento, eu tive um filho com um português, que foi um porco, e eu acabei criando sozinha o meu filho. Tive meu filho dois dias depois que completei 40 anos, que é uma bênção, que é o Gil Eduardo. 


 


 

Ver Tudo PDF do Depoimento Completo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+