Busca avançada



Criar

História

Um suspeito censor

História de: Tutti Maravilha
Autor:
Publicado em: 12/02/2020

Sinopse

Em sua breve entrevista, Tutti fala sobre como caiu de paraquedas no mundo da produção cultural, graças à sua simpatia e competência. Comenta detidamente sobre sua amizade com Elis Regina e as diversas temporadas dela no circuito de Belo Horizonte. Fala também sobre sua transição para o rádio e o dia a dia do seu programa, o Bazar Maravilha.

Tags

História completa

Na época a gente estava em ditadura. Na época das produções, não é? Era ditadura. Então tinha aquela história de o roteiro do show, o que ia tocar, ser cantado; o texto, quando era teatro, tinha que passar pela censura local, então eu levava isso na censura, eles carimbavam, liberado, ia para o teatro, tinha que fazer o ensaio. A coisa chata da ditadura, que eu vi nessa época de produção, era isso: que a gente tinha que fazer o show de tarde, antes da estreia, para o censores - que eram dois, era uma mulher e um outro - ficavam sentados com a plateia vazia e você tinha que fazer o show inteirinho. Era assim. Isso eu achava um saco, entendeu? E tinha uma história bacana, teve uma história boa com o Chico Buarque. O Chico, a gente fazendo um recital, ele e o MPB4. E estava proibido cantar o Apesar de Você. Aí, o que o Chico fazia? Terminava o show e todo mundo aplaudindo de pé, alguém, no violão da banda, fazia assim (instrumental da música Apesar de Você). Aí a plateia inteira entrava cantando, sabe? Era genial, cara. E eles ficavam no palco olhando e o povo cantando. E acabava o show - tinha sempre censor lá - me entregava um papelzinho falando assim: “Chico tem que comparecer amanhã lá na Censura”. Eu falava: “Tá”! Entrava no camarim e falava: “Chico, tem que comparecer na Censura”, “Eu não vou não, vai lá e vê o que é”. Aí eu ia e o censor falava “Não, ele tem que vir, porque ele está cantando uma música que não pode”. Eu falei assim: “Ele não está cantando uma música que não pode, quem está cantando é a plateia, não é? Vai ter que prender a plateia inteira. Não é ele quem está cantando”. Bom, não teve jeito, cara. Todo dia tinha essa história, até uma hora em que a gente sacou que o censor era fã dele! Ele só queria que o Chico fosse lá para tomar um cafezinho com ele pra liberar tudo, você acredita, cara? E a gente tenso, não é? Mas Chico não foi, não foi de jeito nenhum. Terminou a temporada, com todo dia essa história e eu tendo que ir lá na Censura.

Ver Tudo PDF do Depoimento Completo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+