Busca avançada



Criar

História

Sonhos não têm idade

História de: Erenice de Oliveira Ventura
Autor: Museu da Pessoa
Publicado em: 02/02/2021

Sinopse

O núcleo familiar da infância de Erenice só pode prover o necessário para sua sobrevivência. Os pais viviam praticamente da roça, e desde cedo a menina já começou a ajudar na plantação. A escola ficou para segundo plano, como é comum em muitas das histórias do Brasil rural. Depois Erenice se casou, foi constituir sua vida. Mas não deixou de querer ter seu cantinho próprio. Por isso, quando soube que um grupo de mulheres começara um empreendimento de doces e geleias, foi atrás de se infiltrar, aprendeu a cozinhar os quitutes e hoje é não só membro, mas principalmente defensora do negócio.

Tags

História completa

“Ih, cinquenta anos atrás era muita dificuldade, que esse lugar era muito sem recurso, sem nada. Hoje cresceu muito, movimentou muito. Que nós falamos pros meus filhos hoje em dia que a gente é pobre, é carente, mas a vida que eu passei eles nem sabem. Nós passávamos falta das coisas pra sobreviver. Às vezes tinha duas, três peças de roupa cada um, não podia ter mais. Meu pai era carpinteiro, trabalhava em fazenda fazendo carro de boi. Fazia gradeamento de casa... se o nome é esse eu não sei. Ele bebia, não tinha muito aquela responsabilidade com a gente. Sabe a pessoa que bebe? Não fica uma pessoa normal. E minha mãe lavava roupa pra fora pra ajudar meu pai. Aquela roupa dos donos das fazendas. Não tinha escola perto. Fui uma pessoa que custei a estudar. Eu estudei depois de moça formada. Nós já estávamos morando aqui em Itapemirim. Fui estudar de noite, numa escolinha pequena; era uma casinha de moço, na verdade, não era nem colégio. Ele deu essa escola particular pra nós. Pagávamos com um pouquinho de dinheiro que podíamos. Eu ajudava na roça, na plantação de cana. Quando peguei uma idade maiorzinha, já aguentava. Primeiro, capinava, depois passei a cortar. A gente enchia aquele carro de boi e os carreiros levavam pra usina Paineiras. Meu marido, nessa época, trabalhava na usina. Na lavoura. Depois que eu casei com ele,não trabalhei mais. Veio filho: ganhei um e com a idade de um ano e quatro meses, ganhei outro. Ao total, já fui mãe de sete. Quase todos pequenos. Aí fiquei catorze, quinze anos sem trabalhar fora. Precisando ajudar, mas não tinha como. Aí, quando a mais velha terminou a quarta série, falei “Você precisa tomar um pouco conta da casa, pra eu trabalhar um pouco”. Trabalhei na usina, depois fui trabalhar em casa de família e depois entrei nesse projeto de Inclusão Comunitária*. Foi daí que comecei a fazer os doces. Geléia, licor, tudo foi aprendido no curso. Por enquanto não está dando muito dinheiro ainda, que nós estamos produzindo pouco. Mas nós vamos desenvolver pra vender mais. Eu estou esperando a melhora de vida, sabe?

Ver Tudo PDF do Depoimento Completo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+