Busca avançada



Criar

História

Quem é louco?

História de: JOSE MURILO DA SILVA
Autor: JOSE MURILO DA SILVA
Publicado em: 17/07/2013

Sinopse

O carteiro quando quer sair cedo do trabalho encontra um atrapalho e tanto.

Tags

História completa

Em janeiro de 2003 quando iniciei a minha trajetória nos Correios, como carteiro, na cidade de Escada PE, me aconteceu um fato curioso: O meu distrito era um pouco distante da agência, cerca de 4 Km. Ainda na faze de aprendizagem, certo dia, faltando cerca de 1hora para o término do expediente chegou um telegrama endereçado à sobrinha da dona da casa, que estava ali de visita. O texto dizia que a irmã da visitante fugia do hospital psiquiátrico, em Recife – PE. Por faltar pouco tempo para findar mais um dia de trabalho, perguntei ao gerente da agência: - Essa hora não se faz mais necessária a entrega desse telegrama, pois já é tarde e só iremos tirar o sossego de uma família; O gerente respondeu: - Independente de horário temos de cumprir os prazos estabelecidos pela empresa. Completei: - Então na minha saída chamarei um moto taxista para me levar lá. Aproximadamente 20 minutos mais tarde chega um novo telegrama, agora o texto informava a volta da paciente para o hospital. Voltei a questionar o gerente: - Agora é que não precisa mesmo. A mulher voltou. Então levar essas notícias não surtirá efeito nenhum (+1-1=0). O gerente insiste que temos de cumprir as normas da empresa. Bom, independente do horário, sou empregado. Chamei o moto taxista, fomos até o endereço. Chegando lá pergunto pela sobrinha (destinatária dos telegramas). A mulher pergunta: - Como você sabe que ela está aqui? Respondo: - Senhora, eu não sabia, apenas vim trazer uns telegramas que estão endereçados a ela; A mulher continua: - E o que é telegrama? Completo que é um serviço de mensagem expressa dos Correios... As duas senhoras insistem para eu ler as mensagens, alegando que são analfabetas. Sem jeito de dar uma informação que causasse transtornos, como quem não sabia de nada, li a segunda mensagem: - “Fulana voltou para o hospital”. Quem é fulana? A dona da casa diz: - É a outra sobrinha. Para onde ela tinha ido? Respondo: - Senhora, não sei, mas vamos ler a outra mensagem... - “Fulana fugiu do hospital”. Foi o momento de desespero das mulheres, elas se abraçaram chorando e gritando: - “Meu Deus, socorre Fulana, ela é louca, pelas ruas do Recife, vai acontecer uma tragédia”. Só me restava dizer: -Calma gente, esse telegrama está dizendo que ela fugiu, mas o outro está dizendo que já voltou. Então ficou tudo resolvido. Tive de ler várias vezes, na ordem correta para que elas entendam que Fulana fugiu e na mesma hora foi recapturada. Depois de muito tempo é que ambas entenderam que, apesar de se tratar de uma fuga em um hospital psiquiátrico, a paciente já havia voltado. O hospital estava apenas cumprindo o seu dever de informar o que se passa aos familiares. Glossário: Distrito = área de entrega de cada carteiro em uma cidade; Fulana = nome dado à paciente, não recordo seu nome verdadeiro;
Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+