Busca avançada



Criar

História

O rapaz do cheiro-verde

História de: Nivaldo dos Santos Rodrigues
Autor: Museu da Pessoa
Publicado em: 06/04/2014

Sinopse

Nivaldo dos Santos Rodrigues nasceu em São Bernardo do Campo/SP. Passou a maior parte da infância em Jardim Silvina, quando o pai comprou um barraquinho, e a família foi morar na comunidade. O depoente tem cinco irmãos homens, e ele conta que toda família é comerciante, o que o influênciou a fazer o curso de Administração de Empresas. Hoje Nivaldo está começando um negócio no condomínio em que mora, pelo Programa Minha Casa Minha Vida, com venda de legumes e verduras.

Tags

História completa

Meu nome é Nivaldo dos Santos Rodrigues, nasci em oito de fevereiro de 1981, em São Bernardo do Campo, São Paulo.

Meus pais eram imigrantes nacionais mesmo. Ficaram um tempo em Minas, iam e voltavam, iam e voltavam. Chegou um determinado momento que nós precisávamos estudar, na cidadezinha onde nós morávamos, em Minas Gerais, não tinha mais a série que equiparava o grau de estudos dos meus irmãos. Aí com isso, ele resolveu vir pra São Bernardo, já conhecia a cidade. Quando veio, nós moramos de aluguel um determinado tempo, aí com isso ele conheceu o bairro, hoje Jardim Silvina, comprou um barraquinho na época, e foi ali que nós fomos morar, em sete pessoas. Meu pai é comerciante, sempre mexeu com comércio. Minha família toda sempre mexeu com comércio. Minha mãe é mais do lar.

Estudei na Vila São José, no Colégio Estadual Brazilia Tondi de Lima, lembro-me da professora Odanir, né, professora da primeira série, até hoje eu a tenho ela marcada na minha mente, ainda encontro com ela às vezes na rua. Ela é minha segunda mãe, foi a pessoa que me ensinou a ler, a escrever direitamente.

Eu acordava, ficava em casa, meu pai tinha, como eu disse no começo da entrevista, meu pai mexia com comércio e tinha um pequeno barzinho e eu tinha que ficar tomando conta antes de ir pra escola. E quando dava o horário da escola, eu ia pra escola. Ficava em casa assistindo televisão também quando dava tempo, mas a gente sempre teve uma vida, desde pequeno, já envolvida ao trabalho, na área de comércio.

Sempre, desde jovem, desde pequeno eu já trabalhava no bairro, entregava balas com um japonês que passava vendendo balas toda sexta-feira. Ele me pagava oito reais por dia, e com esse dinheiro, eu ia conseguindo juntar pra comprar minhas próprias coisas. Ficava dois, três meses, pra poder juntar determinado valor pra comprar ou material escolar no começo do ano, ou uma roupa, ou um tênis que eu queria.

Olha, meu sonho é poder ter a minha própria empresa. Eu fiz a faculdade de Administração justamente pra isso. Algumas pessoas perguntam: “Você fez a faculdade, mas ainda você não trabalha na área”. E realmente. Eu falei: “Realmente, eu ainda não trabalho na área”. Mas quando eu adentrei a faculdade, eu já sabia o que eu queria, eu quero ter a minha própria empresa. Tanto que eu procuro observar no bairro onde eu posso encontrar a necessidade das pessoas, o que as pessoas estão precisando. Atualmente, de final de semana, de sábado, eu vendo frutas e verduras em volta do condomínio, no bairro onde eu moro. Sou conhecido como “o rapaz do cheiro-verde”.

Todo sábado a partir das oito e meia da manhã eu começo a vender. Essa compra acontece às duas e meia da manhã, aí eu venho pra casa, deixo na casa do meu pai, ele me ajuda muito. Também se não fosse por ele, eu não conseguiria algumas coisas. Ele vai preparando pra mim, eu vou a casa, descanso mais um pouquinho. E por volta das oito e meia da manhã, eu saio com o carrinho na rua gritando: “Alface, batata, tomate e o CHEIRO-VERDE!” (risos).

Ver Tudo PDF do Depoimento Completo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+