Busca avançada



Criar

História

O pipa que caiu na laje

História de: Tatiane Barbosa santos
Autor: Museu da Pessoa
Publicado em: 23/06/2005

Sinopse

Tatiane relembre as brincadeiras da infãncia, como amarelinha, queimada e seu desejo em aprender a empinar pipa. Ela conta sobre suas atividades em casa e os momentos que viveu que mais marcaram sua vida.

Tags

História completa

Meu nome é Tatiane Barbosa Santos. Nasci em Diadema na cidade de São Paulo. Com apenas alguns meses de vida, eu passei a vir morar com a minha tia, junto com a milha mãe (na Vila Brasilina). O nome da minha mãe é Maria Barbosa Santos, o nome dos meus avós maternos eram Maria Pedra e José Erundino. O nome do meu pai eu não sei, nem o nome dos meus avós paternos. Eu sempre fui uma pessoa de ter poucas amizades, nunca fui de tr aqueles grupinhos. Curti muita a minha infância. A brincadeira que eu mais gostava era jogar queimada, pular amarelinha e tocar a campainha dos vizinhos e sair correndo. Um fato que marcou a minha infância foi quando eu quis empinar pipa, mas os meninos não queriam me ensinar e eu também não tinha pipa. Foi daí então que eu pensei que se eu tivesse um pipa bem bonito eles iriam me ensinar. Uma pipa caiu na laje do meu vizinho, eu fui correndo pegá-lo, subi em cima da laje e acabei caindo no quintal e o cachorro começou a latir.

Eu faço de tudo em casa, minha mãe sai para trabalhar e eu estudo a noite e faço o projeto Heliópolis do Sonhos de 3° e 6° feira. Considero que não tenho um grupo de amigos, pois quando eu vou sair, costumo ir sozinha. Mas gosto muito de todos os meus colegas. Nunca fui de paquerar, meus rolos acontecem geralmente com amigos bem antigos. Nunca namorei sério, meu primeiro beijo foi aos 09 anos de idade, eu acho que foi bem diferente, pois antes mesmo de beijar eu treinava em um copo com gelo e água. No momento estou enrolada, mas prefiro não entrar em detalhes. No momento eu não trabalho mas tenho uma renda que vem dos vínculos solidários que ajudam comunidades carentes, é um projeto da Actionaid. Eu estudo, no 2° ano do 2° grau na Escola Estadual professor Gualter da Silva (Moinho Velho- São Paulo- SP). Uma lembrança que eu tenho da escola foi no dia em que um garoto pegou me lanche e saiu correndo, eu saí correndo atrás dele e acabei “caindo de quatro”. Um momento que marcou a minha vida na comunidade foi quando a Família Paquistão realizou uma festa de rua junto ao MV Bil, eu o amo. O meu maior medo é de perder a minha mãe. Meu sonho é ter uma família, ser feliz e ter tudo. Eu não mudaria nada na minha trajetória de vida, acho que todo o meu passado não tem nenhum “podres”. (gritos). Foram causados por um susto, por um instante ficamos no escuro e acabei gritando.

Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+