Busca avançada



Criar

História

Nenhuma das duas

História de: YORKYS AGUILERA
Autor: YORKYS AGUILERA
Publicado em: 16/06/2022

Sinopse

A história só quer dizer que não somos pessoas ruins nem pesssoas boas. Já dizia Jesús "não existe um bom" só tratamos de sobreviver neste mundo onde o tempo é medido não pelo relógio mas sim pelo acelerador.

Tags

História completa

Eu tenho lembranças de quando eu era criança como que eu vi um fantasma na cozinha da casa onde eu morava e outro onde eu coloquei baigon na minha boneca no cabelo dela e depois chorei porque o cabelo dela ficou horrível. Também me lembro de acordar uma noite para beber leite na geladeira. Há três coisas que eu nunca poderia esquecer. Tenho memórias ainda mais traumáticas, mas vou daqui porque acho que daqui pra frente começa minha vida. Não me lembro de ter morado com meu pai biológico... Tenho lembranças de ir a festas infantis e chorar por causa do barulho da música. Lembro-me de ser um nerd durante todo o ensino médio e me formar na faculdade. Eu ia me casar, mas não conseguia encontrar um emprego. Tenho minha última lembrança de ter saído da Venezuela para emigrar para o Brasil e com isso muitas outras histórias, boas e ruins. O mais importante de tudo é que 35 anos se passaram e eu finalmente consegui obter a resposta para o que aconteceu com minha boneca e não me lembro, mas devo ter visto minha mãe usar spray de cabelo e como o recipiente de spray de cabelo é semelhante ao do Baigon achei que o cabelo da minha boneca seria tão bonito quanto o da minha mãe. Mas não era assim, em vez disso era muito feio. Eu era uma garota, como eu deveria saber como esse mundo funcionava? Vivemos em um mundo onde a tecnologia e o que as pessoas supostamente chamam de evolução está nos absorvendo de forma irracional e não há mais tempo para nos dedicarmos a nós mesmos. Pregamos o amor próprio, mas não na prática só de lábios. E foi por isso que entrei em depressão depois de me formar. Compreendi como perdi meu tempo dedicando-o ao que os outros queriam de mim e não ao que eu realmente queria. Não que eu me arrependa de ter me formado, claro que não. Tenho orgulho dessa conquista, mas queria ser mãe e queria ter entendido algumas coisas quando fiz 25 anos. Lutei para entender o quão difícil seria conseguir o que eu realmente queria, já que venho de uma família onde todas as mulheres são estéreis. Tenho 35 anos e ainda não consegui o que queria: ter meu emprego, meu carro e minha família. Tenho uma casa, que adquiri não sei como... Mas tenho muitas histórias tristes por trás dessa casa e a única esperança que tenho é que ainda esteja viva! Todos nascemos gentis, nenhuma criança quer ser assassina ou bandida. Há circunstâncias que nos mudam. Minha inspiração sempre foi minha mãe não porque ela fosse perfeita, mas porque meu instinto de sobrevivência me dizia que eu deveria ajudá-la e o melhor jeito era estudar. Sou engenheiro de petróleo, falo inglês, português, tenho um belo apartamento e já viajei para Itália, Irã e agora estou no Brasil... Aguardando as melhores respostas!

Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+