Busca avançada



Criar

História

Muita responsabilidade!

Sinopse

Otávio Sebastião Bráz nasceu em Diamantina – MG, em 20 de janeiro de 1974. Por volta de um ano, após a morte de sua mãe, ele e o irmão foram adotados legalmente por um casal de tios. 

Foi criado em Belo Horizonte, com a nova família até os 22 anos. Apesar da dificuldade financeira da família, teve uma infância tranquila, brincando na rua. Torcedor do Corinthians, gostava de jogar bola. 

Do Jardim até a 4 série estudou em escola pública. A partir da 5 série passou a estudar no SESI. Aos 14 anos começou a trabalhar e foi para o turno da noite para continuar estudando. 

No ensino médio voltou para a escola pública. Como não queria seguir o magistério, e já trabalhava com carteira assinada, em 1989, ingressou num curso técnico na Polimídia. Depois passou para o Colégio Técnico de Contagem que era gratuito, dentro do Campus da PUC de Contagem onde concluiu seus estudos. 

Trabalhou de 1989 até 1992, como Auxiliar de Serviço Gerais num depósito de material de construção do bairro onde morava. 

Sempre buscando dar uma melhor condição para sua família, em 1995 se formou no Curso técnico. Foi contratado pela empresa Toshiba para trabalhar em ensaio de transformadores. Permaneceu por 7 meses nesse emprego como terceirizado.

Em 1996, ao passar numa banca de jornal, soube do concurso para FURNAS. Fez a inscrição para FURNAS e passou no concurso para Eletromecânica, ingressando na empresa na área de Minas. Após concluir o CTB, foi trabalhar na área de Operação, no Centro de Operação Regional Minas na Usina de Furnas, no município de São José da Barra. 

Sempre em um ambiente de muita camaradagem, Otávio cultiva muitas amizades na empresa desde o CTB. Iniciou seu trabalho no regime de turno e depois passou para o regime comercial. Uma de suas funções e grande preocupação é garantir que as manobras de manutenção nos sistemas de operação de FURNAS sejam realizadas com segurança, prezando pela vida de seus companheiros no ambiente de trabalho. Para tanto é necessário seguir os protocolos, os procedimentos operativos e as normas de forma correta. 

Otávio tem uma companheira, Nilza Rodrigues, que conheceu em FURNAS. 


Tags

História completa

Um pequeno excerto sobre a história de Otávio 

Quando chega uma solicitação para mim, para o centro, para liberar um serviço de manutenção, são vários os procedimentos que devem ser seguidos, pois envolve toda uma cadeia tecnológica e de pessoas. [...] se o equipamento vir a desligar e a gente religar no momento errado, se errar, a pessoa morre. São vários procedimentos para garantir a segurança.

 

Minha época de escola se define em dois períodos: sem trabalho e com trabalho, e eu comecei a ralar com 14, 15 anos. Era um deposito de material de construção onde eu fazia de tudo, trabalhava no balcão, carregava saco de cimento, ajudava a descarregar caminhão. Isso foi em 89, mas não com carteira assinada, só depois que eles me ficharam como serviços gerais. Meu primeiro registro em carteira!

Com o salário que eu recebia, comecei a fazer um curso técnico, e depois de um ano, minha mãe, a guerreira de sempre, conseguiu para mim um curso gratuito no colégio técnico de Contagem. 

Me ferrei nesse ano. Reprovado. Mas voltei no outro com força total e deu tudo certo. Um curso que abriu portas para mim.

Eu me formei em 1995 e na sequência consegui um emprego na Toshiba como temporário. Foi meu primeiro emprego na área técnica, e foi uma maravilha, tanto pela experiência profissional como pelo salário, que não era tanto, mas para quem ganhava um salário-mínimo... Acertei um contrato de três meses que foram estendidos até sete, e quando sai tive que procurar um novo emprego.

Um dia, andando pelo centro de Belo Horizonte, parei numa banca de jornal para ver aqueles jornais de concursos e ofertas de emprego. Não cheguei nem a comprar o folheto, eu não tinha dinheiro. O jornal ficava lá pendurado, levantei a página para dar aquela espiada e vi uma oportunidade que era ali perto, na avenida Afondo Pena, uns três ou quatro quilômetros para cima. 

Eu fui. Lembro que você preenchia o papel à mão, acho que eu ainda tenho o papel de inscrição numa gaveta lá de casa. Esse foi o dia em que fiz minha inscrição para o concurso de FURNAS. 

 

Desenho de um círculo

Descrição gerada automaticamente com confiança média

Hoje, eu trabalho no Centro de Operação Minas. A função de um centro de operação é centralizar as atividades relacionadas a operação do sistema elétrico, no sentido de coordenação de intervenções de manutenção e recomposição do sistema elétrico, por exemplo, quando o pessoal fala “apagão”, é um momento de perturbação do sistema e a função do centro é supervisionar e controlar as instalações sobre a sua responsabilidade, no nosso caso, a área Minas. 

Fato é que é muita responsabilidade. O que acontece?

Quando chega uma solicitação para mim, para o centro, para liberar um serviço de manutenção, são vários os procedimentos que devem ser seguidos, pois envolve toda uma cadeia tecnológica e de pessoas. O centro de operação é corresponsável em garantir a segurança do pessoal para fazer o trabalho, é necessário analisar se o equipamento em questão tem que ser desligado ou não, se ele tem que ser isolado ou não, entre outras variáveis. Talvez as pessoas já tenham visto alguém trabalhando numa linha, com uma roupa especial, se o equipamento vir a desligar e a gente religar no momento errado, se errar, a pessoa morre. São vários procedimentos para garantir a segurança. 

 

Desenho de um círculo

Descrição gerada automaticamente com confiança média

Contar sobre a própria história emociona. Por exemplo, é a primeira vez que eu falo, não para um amigo, sobre minha infância, minha família, mesmo meu trabalho. Essa história que eu contei hoje é para ela fazer parte de FURNAS. Essa é a minha história na empresa, é a minha vida contada na empresa, que é uma parte de mim. São 25 anos! Eu fiquei mais tempo aqui em FURNAS do que fora dela. E tem muitas outras histórias, muitos fatos, muitas outras pessoas com suas histórias de vida.  É uma coisa interessante, é isso, é a vida.

Eu gostaria de deixar registrado meu agradecimento às pessoas que me ensinaram a trabalhar na empresa. Pessoas que já se aposentaram ou já morreram e deixaram saudades. Todo meu conhecimento profissional, o que eu sou hoje, eu tenho que agradecer à essas pessoas que passaram por mim e me ensinaram, a todas elas. 

Ver Tudo PDF do Depoimento Completo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+