Busca avançada



Criar

História

Minha história, minha família e minha São Paulo

História de: Marcio Chicca
Autor: Marcio Chicca
Publicado em: 04/07/2004

Sinopse

O ítalo-paulistano Marcio Chicca é neto de imigrantes italianos. Ele conta a trajetória de sua família por São Paulo e suas recordações da infância pela cidade.

Tags

História completa

O início de tudo... Marcio Chicca é meu nome. Nasci em 3 de setembro de 1947 em um bairro pobre desta maravilhosa cidade de São Paulo chamado Ponte Pequena, onde hoje se encontra a Estação Armênia da Linha Norte-Sul do Metrô. Era o número 137 da rua Guaporé, travessa da avenida Tiradentes, uma das mais importantes do bairro e da cidade naquela época. Tive uma irmã de nome esquisito, Wanderley Chicca, nascida 10 anos antes do que eu, no bairro do Imirim, local onde meu pai e minha mãe foram morar logo que casaram. Entre eu e minha irmã, depois de um parto difícil de minha mãe, não vingou um casal de gêmeos.

Sou neto de imigrantes italianos por parte de pai – Alfonso Chicca e Maria Incisi Chicca. Eles vieram do norte da Itália, mais precisamente de Lucca, no início dos anos 1900. Chegaram a São Paulo via porto de Santos e se instalaram inicialmente na Casa dos Imigrantes. Depois foram morar no bairro do Bom Retiro, onde meu pai nasceu, e finalmente se mudaram para o bairro da Ponte Grande, que depois virou Ponte Pequena. Meu avô, o nonno, foi barqueiro no rio Tietê e puxava areia em um barco emprestado por outros imigrantes que moravam no mesmo bairro do porto de areia daquele rio. Depois foi padeiro e chegou a abrir uma padaria na avenida Tiradentes, esquina com a rua Guaporé, a rua onde eu nasci.

Meu pai é Alfredo Chicca e minha mãe, Wanda Soares Chicca. Esta também era filha de imigrantes italianos por parte de minha avó – Irene Pereira Soares – e portugueses por parte de meu avô – José Pereira Soares. As famílias se estabeleceram em Barretos, cidade do interior do estado de São Paulo, onde meu avô era comerciante, sendo proprietário de um grande armazém de secos e molhados, a maior casa comercial da região. Porém, depois de alguns anos, faliu em razão da guerra e outros fatores que não sei ao certo. Convivi muito mais com meus avós paternos, os italianos de Lucca, mesmo porque meu pai fez sua vida na cidade de São Paulo. Aos 12 anos, meu pai já trabalhava, de madrugada, como boy no primeiro jornal da colônia italiana da cidade, “O Fanfulla”, que se localizava na ladeira da rua Florêncio de Abreu, no centro da cidade.

Ele era também auxiliar de oficial de linotipista, aquele que separa as letras feitas em ferro para imprimir os textos do jornal. Lá ficou por alguns anos e depois começou a se dirigir para o ramo automotivo, trabalhando em uma loja de peças para automóveis, naquela época, somente importados. Depois disso, começou a juntar dinheiro até que, por volta de 1937, montou seu próprio negócio, no mesmo ramo, o qual frutificou até o número de três lojas, com especialidade em automóveis importados. A esta altura o mercado já recebia os primeiros modelos de automóveis nacionais. Com a chegada dos nacionais, os importados se tornaram caros e ele teve seu negócio falido. Recomeçou com bicos no mesmo ramo e, já aposentado, conseguia se manter. Sempre foi um cara organizado e honesto. Guardou dinheiro, teve seu patrimônio bem feito, a ponto de nos deixar boas condições para vivermos bem até os dias de hoje, principalmente minha mãe.

Minha cidade de São Paulo
Tenho muitas recordações desta cidade, que eu aprendi a gostar desde pequeno, pois meu pai me propiciava informações, assuntos e passeios que se tornaram inesquecíveis, alguns dos quais ainda recordo com muita emoção. Aos domingos, meu pai me levava passear no centro da cidade, na rua Boa Vista, onde ficava o Restaurante Guanabara e onde eu me deliciava com os enormes e variados sanduíches. Enquanto eu comia e tomava uma "Caçulinha" da Antártica, um sucesso na época, ele saboreava um chopp escuro. Em outros domingos, invertia o roteiro e íamos para a rua Vieira de Carvalho, onde o restaurante Fasano funcionava em um prédio bonito que hoje é o hotel Bourbon São Paulo. Lá, meu pedido era uma ou duas coxinhas especiais, que eram deliciosas. Logo depois, meu pai comprava alguns doces em uma doceria ao lado, que eu acho que já era a Dulca, para a sobremesa do domingo.

Um passeio que marcou minha memória foi um dia inteiro de domingo de 1954, quando da inauguração do Parque do Ibirapuera. Tudo novinho, gramado lindo, lagos, pavilhões de alguns países, exposições diversas, alguns teco-tecos sobrevoando o parque e jogando flâmulas de papel prateado com textos em comemoração à inauguração do parque e ao IV Centenário da cidade. Cada casa de São Paulo colocava em lugar de destaque uma placa comemorativa dos 400 anos da cidade: o brasão de São Paulo em alumínio polido ou colorido, salientando a idade da cidade. Quase todas as casas tinham um ou dois.

A maior diversão da cidade, e mais barata, era o cinema. Havia cinemas belíssimos como o Cine Metro da MGM dos EUA; o Bandeirantes (depois Ouro); o Marrocos, único em que as cadeiras deslizavam ao se sentar, o maior da cidade; o República, primeiro a exibir filmes em terceira dimensão; o Ipiranga e o Marabá, de grandes exibições como "Os Dez Mandamentos", de Cecil B. de Mille, grande diretor de filmes épicos maravilhosos da época. Nestes cinemas só se entrava com terno e gravata e foi para ir a um deles que usei a minha primeira. Nos intervalos, uma orquestra surgia no palco para tocar algumas músicas. Deste tempo eu peguei o final, onde se mantinha o hábito de usar terno e gravata, mas somente um cinema mantinha um excelente pianista, o Cine Ouro do Largo do Paissandu. Os outros já não suportavam este custo.

Depois de alguns anos, e com novas tecnologias, surgiu o Cinerama. Um espetáculo: tela imensa, som estéreo, só apresentando filmes especiais para aquele equipamento. Na minha juventude ainda mantive alguns hábitos que meu pai me deixou, tais como ir comer um bauru no Ponto Chic do Largo Paissandu, ou tomar um chopp no Bar do Léo, na rua Aurora esquina com a rua dos Andradas, ou ainda uma boa canja de galinha no frio da madrugada no restaurante Papai, na esquina da Duque de Caxias com a São João. Já não existia mais o Fasano da Vieira de Carvalho e o Guanabara mudou para rua São Bento, já não tinha nada mais a ver com aquele dos anos 50. Hoje, às vezes, quando saio com meu filho, vamos comer um bauru ainda no Ponto Chic do Largo Paissandu e ele me lembra destas histórias dos passeios de meu pai, seu avô.

Uma das coisas que meu pai tinha de legal era que, com pouca instrução, pois só estudou até o terceiro ano primário, ele era um cara que, para sua época, estava bem à frente de seus amigos. Meu pai, em 1939, já transava fotografia: ele mesmo montou seu laboratório fotográfico, revelava seus filmes e fotos em casa com uma magnífica perfeição. Tinha máquinas fotográficas incríveis. Depois da fotografia, partiu para os filmes 8 milímetros e, em 1947, fez o filme de meu batizado, que tenho até hoje. Não só este como vários outros. Dele e de seu hobby herdei a paixão pela fotografia, e com ela me apaixonei por esta metrópole da América Latina, a quarta maior cidade do mundo, São Paulo. Com a fotografia comecei a ver a minha cidade de outros ângulos e com outras cores Sobre São Paulo eu também pretendo registrar aqui, no Museu da Pessoa, meu orgulho de ser paulistano, de pertencer a esta “Sampa” cantada por Caetano Veloso. Em 2004/2005 restauraram o Mercado Municipal, o Mercadão, da rua da Cantareira. Ficou maravilhoso. Como o pé direito era imenso, foi feito um mezanino onde apareceram restaurantes, bares e lanchonetes. O sanduíche de mortadela Ceratti (250 gramas de mortadela), o pastel de bacalhau... Tudo agora está na parte de cima do mercado, onde se saboreia o tal “sanduba” olhando-se para baixo e onde se admira as maravilhosas frutas, temperos, queijos etc.

Minhas fotos do “centrão” continuam crescendo. Agora estou preparando uma série de fotos só das janelas da cidade e, por sinal, são lindíssimas. A Estação da Luz, agora também totalmente restaurada, abriga um museu, mais um da cidade, o Museu da Língua Portuguesa. Agora, em janeiro de 2008, mais precisamente no dia do aniversário da cidade, 25 de janeiro, a "Revista da Folha" promoveu um concurso de fotos sobre a cidade: “O que ela representava para você". Entre milhares de fotos, uma das 10 melhores que foram publicadas, foi minha, "A difícil travessia da Paulista ".

Minha vida na hotelaria
Minha vida na hotelaria começa em 1º de abril de 1974. Trabalhei alguns anos com meu pai em sua última loja, já com muita dificuldade, e quando o mesmo ia se aposentar, eu estava recém-casado. Deixei-o encerrar as atividades e parti para a hotelaria. Meu primeiro emprego: auxiliar de reservas noturno, na Companhia Tropical de Hotéis, um dos braços da Varig, que na época era a maior companhia aérea da América Latina. Lá permaneci de 1974 a 1979, de auxiliar de reserva até chefe da central de reservas, e me dediquei em tempo integral na área de vendas, tive um professor chamado Orlando Luciano, que me ensinou tudo. Trabalhei muito, aprendi muito, conheci as transmissões via rádio, pois na época ainda a telefonia estava engatinhando e as reservas da central para o hotel de Foz de Iguaçu eram via rádio. ]

Depois, com a Varig tomando conta de toda empresa, fiz um curso de teletipo, um sistema usado na aviação e aplicado nos hotéis da Tropical. Depois chegou o telex, depois o fax. Da Tropical fui para o Othon Palace São Paulo, onde fiquei de 1979 a 1983. Entrei como promotor de vendas e cheguei a gerente de vendas de São Paulo, também na área de congressos e feiras, departamento que implantei no Othon São Paulo. Em julho de 1983 fui convidado por Lauro Costa, gerente de vendas do Hilton São Paulo, para fazer parte do time de vendas daquela empresa multinacional. De executivo de contas de São Paulo, acabei cobrindo quase todo o território nacional, e junto com Thomaz Humpert, meu amigo, "irmão", compadre, abrimos o Escritório Nacional de Vendas da Hilton no Brasil, o primeiro da América Latina. Lá permaneci até 1989, quando fui convidado para assumir a gerência regional de vendas sul da rede Quatro Rodas de Hotéis em São Luiz do Maranhão, Olinda, Recife (PE) e Salvador (BA). Lá fiz um grande trabalho e realizei eventos espetaculares para época, Convenção Mundial do Citibank, lançamento do Ford Verona, etc. Eventos grandes, espetaculares e cinematográficos. Com um ano e meio de empresa, a mesma foi vendida para Accor Hotéis, um grande grupo hoteleiro francês que iniciou sua investida no país com um de suas marcas mais simples, Novotel no Morumbi, na época um sucesso. Virei um funcionário novamente de multinacional, mas fiquei mais seis meses e a Hilton, via Thomaz Humpert, me chamou novamente. Agora, para assumir a gerência nacional de vendas da Hilton do Brasil. Lá fiquei de 1991 até 2001 e tive sucessos e fracassos, aprendi muito, participei de convenções internacionais da própria empresa, conheci o Brasil todo, sempre trabalhando na promoção e venda dos hotéis da Hilton Brasil e International.

Em 2001, pedi demissão da Hilton e fui convidado pela Blue Tree Hotels & Resorts para assumir a gerência de vendas de todos os hotéis de fora de São Paulo, exceto os resorts. Trabalhei muito, por duas vezes fui parar no hospital devido ao estresse do trabalho. No final de 2003, não me adaptei aos novos processos de gestão implantados pela empresa, pedi demissão e a partir de 19 de janeiro de 2004 fui para Estanplaza Hotéis Boutique com o grande desafio de gerenciar o comercial da empresa de todo o Brasil, menos a cidade de São Paulo. Trouxe comigo, para me ajudar, meu amigo Rodolpho Ticianelli, que sob minha orientação divide comigo este desafio. Gostaria de registrar aqui meus colegas de trabalho que me ajudaram na minha carreira profissional, sem mencionar datas ou passagens pitorescas, mas sim pessoas que me foram caras: Orlando Luciano; Roberto Matheus Ordine; Roberto Malzoni; Senhor Noronha; Marco Aurelio Paes de Barros (falecido); Sergio Zamagna; Lauro Costa; Isaac Agimann (falecido); Thomaz Humpert; Adauto Serafim; Martins (lavanderia Hilton); Alexandre Carvalho; Eduardo Reple; Luiz Calle; Patricio Alvares; Peter Shappe; Johannes Trenkle; Ricardo Tapia; Tom Potter; James Stanley Robinson; Sebastião Nunes; Jean Aires Papagiorgius; Marina Lucchesi; Francisco Napolitano; Paula Muniz; Alexandre Santucci; Rodolpho Ticianelli; Paula Yepes Perini; Fanny Dulon Cutralle; Eduardo Camargo; Monica Leone; Maria Tereza Gomes; Eduardo Garchido; Daniel Guijarro; J. J. Garcia de Carvalho; Klaus Ziller; Klaus Zilla; Roberto Patricio; Eliane Kruk; Ronaldo Albertino; Luiz Guerra; Thaise Montenegro; Lucia Mello; Paulo Benedete; Carlos Coelho; Hugo Becker; Rodrigo Liantada; Chester Petronis; Ricardo Hernandez: Denis Bonenberger; Wander Panfilli; Airton Dornelas; Marcos Cumagai; Sergio Assis; Angelo Donatti; Clovis Casemiro; Isabel Maria Casal da Veiga; Richard Civitta; Dary Rigueira; Aldo Campos; Davidson Botelho; Mario Dias; Francisco Esteves; Carlos Alberto de Carvalho; Jose Luiz de Souza; Ilse Dreier; Patricia Perrone; Giancarlo Cocolli; Ariane Mathene; Luiz Perillo; Dr. Léo Genésio(da segurança do Hilton); Heloisa Prass; Gisele Alvarez; Jorge Nishimura; Janaina Weiss; Fabiano Virolli; Marcelo Ribeiro; Lucia Mello; Maria Rosa Le Roy; Cristina Teodoro; Rubens Sampaio; John Chen(ja falecido Set 2021); Debora Xocaira; Cibele Berdasco; Leonardo Mello; Alexandre Marcílio, Eduardo Lara, Gilmar Amicci; Marcos Rigol; Julio Gomes;  Rodrigo Lucca, Fernando Moraes, Virginia Cornachini; Wander Panfilli; Paulo Camargo. Não vou conseguir lembrar de todos... assim, vou inserindo os nomes à medida que trago de volta as recordações de um passado profissional que muito me marcou e me ensinou. No final de 2004, recebi uma proposta de trabalho da Blue Tree Hotels para retornar e assumir a gerência de vendas do Blue Tree Convention Ibirapuera, o maior hotel da companhia e um dos maiores hotéis da América Latina, e resolvi aceitá-la .

Um tremendo desafio o qual vou lutar com todas as minhas forças para superar qualquer obstáculo para levantar aquela unidade da Blue Tree Hotels. Fui muito bem recebido na Blue Tree Hotels no dia 17 de Janeiro de 2005, inclusive pela senhora Chieko Aoki que me disse ter sido a sua primeira grande e boa notícia de 2005. Conseguimos durante 2005, por várias vezes, lotar o BTC Ibirapuera, graças à equipe fantástica de reservas, eventos, recepção, governança, vendas, alimentos e bebidas, chegando a marcas incríveis de ocupação e de diária média. Grupos que chegavam a tomar quase que a totalidade dos apartamentos do hotel, gente saindo pelo ladrão, mas foi um ano bom, muita luta, muito cansaço. Profissionalmente foi um ano muito bom, mas pessoalmente tive grandes dissabores, tais como a perda de minha mãe no dia 17 de junho de 2005, quase perdi minha ex-mulher Regina, que perdeu a perna direita em um acidente automobilístico em que minha filha Fabiola estava junto e teve várias fraturas. Graças a Deus as duas estão vivas, e estes dois fatos quero esquecê-los.

No Convention Ibirapuera, com a bandeira Bourbon, fiquei por lá de 2005 ha 2013, foi um trabalho árduo, tive uma excelente equipe de vendas, reservas, eventos e rodeio o país todo divulgando e vendendo aquele hotel, foi muito bom mais desgastante. saí em conflito com a empresa a ponto de mover um processo trabalhista que se arrastou por 8 anos, e daí consegui vencer os "bandidos" que lá trabalhavam, Mucio e Dr Evaldo e cia., uma quadrilha, só se salvava meu amigo John Chen, que faleceu de COVID-19 em setembro de 2021.

Também devo mencionar aqui clientes que no decorrer do tempo se tornaram grandes amigos meus, tais como, Fernando Bovo Filho (Petrobras Petr.Brasileiro), o qual mantivemos contato comercial e de amzade por todo o tempo que estive ativo na hotelaria, quase 40 anos, e nossa amizade foi e continua sendo muito grande, sendo que fui seu padrinho de casamento. 

Outro cliente que virou amigo, foi Alceu Neves de Oliveira(Calçados Azaléia), NadiaKirsch (Calçados Azaléia). Otavio F Silva (ACAV), Jorge Infurna(Petrobras), Paulo Camargo ( Hoje Ello Tur, e ex colega de tropical e Othon), Fernando Braga (CESP/ENEL), Flavio Mourão (Feira da moda mineira),Wagner Margoleano (Petrobras SP), Marcos Freire ( ), Jose Edson (RDC), Julio Castanheira (RDC), Neca (CWagon Litz POA), Marcelo Restivo (Tivoly tur),e muitos outros que agora não recordo.

Eu e minha irmã nos aproximamos mais com a perda de nossa mãe. Neste ano que está se acabando, pois hoje é 15 de dezembro de 2005, meus filhos foram maravilhosos, minha mulher continuou sendo tudo de mais importante na minha vida, estando presente ao meu lado, me dando força e orientação. Agradeço muito a Deus por tudo o que me aconteceu, fez com que minha mãe parasse de sofrer, e de minha filha Fabiola estar viva. Meu filho voltou à faculdade para uma pós-graduação. Enfim... em linhas gerais foi um ano bom Ah Troquei de máquina fotográfica, e agora estou com um máquina semi-profissional, e estou batendo mais fotos maravilhosas desta cidade encantadora. Não sei se volto a escrever ainda este ano de 2005, mas certamente voltarei a escrever sobre ele e sobre novos fatos que voltam à minha mente, ou aqueles fatos que acontecem e que eu devo registrá-los aqui. Meus Filhos Neste depoimento que faço neste site, tenho que registrar uma parte muito importante de minha vida que são meus filhos. Fabricio Ribas Chicca, Fabiola Ribas Chicca e Marina Aquilino Chicca.

Agradeço muito a Deus por ter me concedido esta graça, este merecimento de ter tido estas três criaturas maravilhosas. Tive duas mulheres em minha vida que me presentearam com as três coisas mais maravilhosas do mundo que são estas três pessoas. E aqui vou registrar um pouco de minha visão de pai apaixonado pelos filhos: Fabricio Ribas Chicca, nascido a 30 de maio de 1975, às 11horas e alguns minutos, que eu não lembro. Sei que são importantes em razão do mapa astral, mas não me lembro os minutos, só na certidão de nascimento Nasceu no hospital Panamericano, em um dos dias mais alegres e felizes de minha vida, nascimento do primeiro filho homem, primeiro neto homem, filho do único filho homem e neto do único filho homem. Ou seja, ele é o único que vai continuar a Famiglia Chicca se tiver um filho homem.

Que festa no corredor do hospital naquele dia, era whisky para todo lado, fumaça de charuto então nem se fala, uma festa e tanto. Terminou em uma bebedeira minha, do Luiz, meu cunhado e futuro padrinho do Fabrício, meu filho, e meu primo Lineu em um jantar no "Moraes, O Rei do Filé", na alameda Barão de Limeira até as 3 da manhã. Meu filho só me deu alegrias, na vida comigo, com a mãe dele, na escola desde o pré, no Clube Tietê até a Faculdade de Arquitetura em Campo Grande (MS). Na vida foi maravilhoso, me fez chorar muitas vezes de orgulho e alegria, quando de sua formatura no primário, por outras várias que eu não me lembro, e sobretudo no seu discurso de faculdade, pois ele foi o orador da turma. Ganhou prêmios em seus projetos de arquitetura, de um dia para o outro apareceu com uma novidade, estava ele em 2003/04 projetando um filme com um dos diretores brasileiros de maior expressão na época, Walter Sales. Entrou em Mestrado no Mackenzie (SP), na primeira oportunidade.

Se mandou um dia para a Austrália com a namorada e ficou por seis meses com sucesso no idioma e na experiência de vida. Depois, um dia, se mandou para a Europa com uma mochila nas costas e lá ficou mais de um mês e rodou um monte de países. Em um de seus primeiros empregos, foi para o Canadá para um MBA. Gosta de fotografia como eu, é muito bom em um esporte que começou a praticar agora, que é o kart, e está se dando bem. Mora sozinho, se mantém, comprou seu carro sem que eu o ajudasse. É um filho exemplar, carinhoso, atencioso e super responsável, principalmente no drama que todos passamos neste ano de 2005, com o acidente de sua irmã e de sua mãe. Ele cuidou de tudo, deu a maior assistência, foi maravilhoso. Tem tantos fatos que eu gostaria de registrar aqui, mas não lembro de todos agora, mas à medida que vou lembrando vou colocando.

Hoje, 16 de junho de 2006, Fabrício está na China de férias. Já conheceu a Europa, pelo menos os principais países. EUA, Canadá, vários da América Latina e agora com um tremendo esforço vai à China. Agora as duas meninas, minhas filhas queridas, Fabiola e Marina. Fabiola, segunda do primeiro casamento, nascida em 2 de maio de 1979. Eu me separei da mãe dela quando ela tinha 6 ou 8 meses. Apesar da separação e da distância, pois eles se mudaram para o Rio de Janeiro e eu não tinha dinheiro para ir toda hora vê-los, pois a pensão que eu pagava era alta (50%) e eu ganhava pouco, mesmo assim, creio eu que ela me ama, pois eu a amo muito como aos outros dois. Depois do seu acidente em2005, me apaixonei mais por ela, pela luta dela, pela força de vontade em superar seus problemas, de ajudar a mãe a superar também suas dificuldades a partir do acidente. Também me marcou muito sua formatura em Veterinária em Campo Grande (MS). Foi muito legal e ela, como o irmão, foi a oradora da turma. E eu na platéia chorando, como na formatura do Fabrício e será assim na da Marina também.

Foi assim também na colação de grau da Marina em 2008, chorei muito Aos vinte minutos do dia 23 de julho de 1984, sob o signo de leão, nascia minha filha mais nova, Marina, fruto do meu casamento com Silvia, minha mulher até os dias de hoje. E será para sempre. Marina veio para me fazer sentir o mais puro amor que eu já tinha experimentado até o dia em que ela chegou. Hoje no caminho dos 23 anos, em maio de 2007, ficou maravilhosa, alta, morena, magra enfim... linda. Muito carinhosa comigo me fez passar por situações deliciosas. Hoje, 6 de maio de 2008, consegui recuperar os filmes em 8 m/m que meu pai fez de mim, desde meu batizado até a idade de 12 anos. Graças a Silvia que conseguiu um lugar que os transformou em DVD, e eu irei presentear minha irmã e meus parentes mais próximos. O ano de 2008 foi muito bom pra mim, só tenho a agradecer a Deus por mais uma ano vivido, com meus filhos, agora com a Fabiola também em SP.

Foi um ano feliz, no trabalho, na minha vida pessoal. Eu e a Silvia voltamos a Europa numa viagem maravilhosa. Nossos filhos estão bem de saúde e trabalhando, eu e a Silvia também. Consolidamos nossa amizade com minhas melhores amigas e seus maridos, Fanny e Angelo (cumprido) e Paula e o Perini ( agora bem depois de um susto com uma cirurgia cardíaca), e o mais novo integrante da família Perini nosso Edgarzinho. Minhas "irmãzinhas Paula e Fanny continuam sendo minhas melhores amigas destes últimos 10 anos. Voltaremos a sair do pais no próximo dia 23 de janeiro de 2009 para 8 dias em NY com a Fanny e o Cumprido, estamos felizes e ansiosos. Fomos e voltamos a NY com sucesso, uma viagem maravilhosa, adorei a cidade. O melhor da viagem foi ver nos olhos da Silvia a felicidade de eu estar junto com ela em NY. Pegamos um frio do cacete, com neve e tudo, coisa q eu nunca tinha visto. Passeamos muito, nos divertimos bastante, comemos bem e desfrutamos momentos maravilhosos com nossos amigos, pois se não tivesse sido eles nós não teríamos ido tão rápido.

Já estamos planejando outra viagem juntos, mas...ainda não decidimos para onde. Sou apaixonado por tecnologia, apesar de ser um leigo, mas gosto de passar horas no meu Laptop, ou em minha maquina fotográfica digital e cada vez as coisas, diminuem de tamanho e aumentam de capacidade. Nesta semana, fevereiro de 2009, troquei meu Iphone por um Nokia E73 maravilhoso, tem tudo e cada vez mais você baixa recursos pela Internet. Um dos últimos que baixei foi a possibilidade de se baixar um programa que transforma seu telefone celular em um sintonizador de FM, um radio...com som maravilhoso.

Eu me lembro que quando eu tinha uns 7 ou 8 anos, meu tio Buzim, me levou no porão da casa dele, que eu adorava pois o cara tinha coisas fabulosas, alem de uma Harley Davidson, e me mostrou um "radio" , feito com bobinas de fio de cobre, presas a uma caixa de charutos, e com um "pedrinha" (Galena) ele a esfregava na bobina e com isso sintonizava varias estações de rádios, inclusive radio amadores, e só era possível se escutar o som através de um par de fones de ouvidos alemães, vindos do final da II guerra, que um amigo tinha lhe dado o qual combateu com as tropas brasileiras em Monte castelo. Depois de muitos anos, Perseu seu filho me ensinou a montar os "Rádios Galenas" e eu fiz vários...Hoje, um telefone é tudo e mais um radio, um GPS e uma máquina fotográfica digital com uma resolução de enlouquecer.

Até telefone é Dia 10 de Março de 2009 realizei um grande sonho da minha vida. Eu estava em Brasília no ex Blue Tree Brasília, tomando café da manhã quando na mesa em frente a minha estava nosso ex presidente da República, Fernando Henrique Cardoso. Lá fui eu cumprimentá-lo e solicitar um autógrafo. Fiquei até meio "xarope" quando conversava com ele. Mas realizei um sonho de poder falar com ele. Ultima novidade de abril de 2009: Fabricio vendeu tudo o que tinha, carro, apto etc. e vai fazer doutorado em arquitetura e urbanismo na Nova Zelândia. Sua tese foi aceita, ele passou muito bem no exame de inglês, e dia 16 de junho de 2009, provavelmente vai partir para ficar pelo menos 3 anos lá. Creio que ele não volte mais. Boa sorte pra ele...mesmo longe de mim desejo a ele como meu filho meu orgulho toda sorte do mundo que ele merece. Consegui mais uma edição de minhas fotos como cartões postais da Rede Slaviero de Hotéis, esta será a segunda edição.

Consegui através da Silvia um contrato para inserir minhas fotos em um banco de imagens da Ed Abril. Que legal Junho de 2009, consegui realizar um sonho, ou melhor dois sonhos, a compra de um máquina digital profissional uma Canon EOS 50D, e um C4 Hatch 2009/2010. Agradeço a Deus e a Santo Expedito pelas graças alcançadas. Fabricio, foi fazer um doutorado na Nova Zelândia e partiu ontem dia 30 de junho de 2009 e deve permanecer por lá por 3 anos Se tudo der certo e eu acho e tenho certeza q vai dar pois Fabricio é um cara organizado e persistente nos seus objetivos... Ele ficou quase 4 meses aqui em casa e modificou nossos hábitos, nosso dia a dia, com a sua ansiedade de arrumar sua vida aqui para ir a NZ para o doutorado, como também tirou a casa fora do eixo pelo lado da alegria. Sucesso pra você meu filho querido Hoje 3 de setembro de 2009, complet0 62 anos...me sinto bem, porém cansado pelo stress de meu trabalho. O que me ajuda a ter forças para lutar são minha mulher e meus filhos. Meu nível profissional está alto porém o custo disto é muito alto também.

Acertamos no mês passado nossa próxima viagem a Europa (Paris e Roma ...como uma passadinha em Veneza e Sicilia), e iremos com a maninha Fanny e Angelo. Já estamos contando os dias 2009 esta indo embora, foi um ano bom, conseguimos, digo conseguimos eu, Silvia, Marina, Fabricio e Fabiola um ano de bons resultados pessoais e profissionais. Não temo o que reclamar e sim a agradecer. Na ultima semana do ano terminei com uma noticia preocupante, a Silvia fez um exame de Tireóide e o resultado apresentou dois nódulos, sendo que um deles maligno. Ela já realizou todos os exames pré-operatórios e já marcou cirurgia para dia 23 de Janeiro as 8 da manhã. Segundo o medico não ha com que se preocupar...numas.

Pra eles sempre tudo é fácil...mas na verdade só saberemos a realidade de tudo depois da cirurgia. Assim sendo o final do ano é preocupante Não consigo disfarçar para Silvia minha preocupação, coisa que eu não deveria fazer mas esta incontrolável pra mim. Natal passamos com a Fanny, na casa dela e foi bem legal Réveillon ...provavelmente passaremos somente eu e a Silvia em casa Não vai ser fácil Acho que neste ano não escrevo mais nada no Museu, mas desejo a todos os meus entes queridos um 2010 com muita saúde, sucesso e muitas realizações... (Atualizado em dezembro de 2009) 2010 - 08 de fevereiro Passamos por maus momentos de dezembro do ano passado ate 23 de janeiro de 2010, quando Silvia teve problemas de tireoide, os quais foram sanados por um cirurgia.

Problemas no meu trabalho me levam a crer que não podemos confiar cegamente nas pessoas. Poucos, muito poucos (3) lá do trabalho tem minha confiança. Fora o trabalho nossa viagem a Europa 2010 esta concluída, a ultima prestação vencerá em 18 de fevereiro, os tickets de trem foram comprados, e o trecho aéreo de Palermo a Roma com mais uma noite de hotel, também esta concluído. Agora estamos curtindo a ansiedade dos últimos dias para partirmos. Fabricio esta bem na Nova Zelândia, Marina vai a China a trabalho, e Fabiola esta lutando para abrir seu Pet Shop Eu e Silvia as voltas com nossos empregos Hoje 23 de fevereiro de 2010...faltam 36 dias para nossa viagem a Europa Maio de 2010. Fabiola abriu seu Pet Shop em Abril, Marina esta bem no emprego e já fez duas viagens de trabalho à China.

Fabricio esta bem na Nova Zelândia, trabalhando e estudando. Fomos para Europa de 01 à 21 de abril de 2010, mesmo com o acidente que a Fanny sofreu, pois torceu o pé e viajou só 20 dias com uma bota ortopédica, mesmo assim foi uma viagem maravilhosa Mais uma vez Paris, Roma foram sensacionais, e a Sicilia foi fantástica. Tivemos um problema de stress na volta pois um vulcão na Islândia atingiu o espaço aéreo da Europa e quase que tivemos nosso retorno retardado, o que seria muito chato ficar mais alguns dias em Roma ou Paris. Ainda neste ano de 2010, voltamos a NY em agosto por uma semana, foi uma semana maravilhosa, deu pra conhecer NY um pouco mais. Bons passeios, bons restaurantes, fotos...boas, e compras maravilhosas. Em setembro saí mais uma vez do país, agora a trabalho, por 4 dias a Santiago do Chile. Foi uma viagem bem proveitosa pelo ponto de vista comercial para o hotel.

Aprovetei um dia de folga e fui conhecer a viña Cousiño-Macul, nos arredores de Santiago. Vinhos excelentes e o lugar maravilhoso, emoldurado pela Cordilheira. Fanny e o cumprido no dia 10 de outubro, partiram para uma viagem a Europa, Berlim, Viena, Praga e Budapeste. Nós que ficamos...ja estamos (a Silvia) preparando nossa proxima viagem (nós 4) a Europa em junho de 2011. Vamos ver se conseguiremos Muita fé nesta hora 31 DE OUTURBO DE 2010-DIA DA BRUXA ELEITA DILMA ROUSEF PRESIDENTE DO BRASIL QUE MERDA.

Bem não consegui chegar no final deste ano de 2010 e não voltar a NYC, que se dane o frio de menos 1grau, que se dane a neve...irei de qualquer jeito eu e meu amor Silvinha para 5 dias na Big Apple...depois pra virar o ano iremos passar o reveillon em uma pousada na cidade de Cunha...só nós dois infelizmente pois meu sonho seria ter meus 3 filhos comigo, mas eles estarão bem. Fabricio na India, Marina em Bueno Aires e Fabiola provavelmente com a mãe dela no iriri. Este ano de 2010 foi muito bom graças a Deus, só temos a agradecer pelo que recebemos.

2011 Começamos bem, ja nos programando para uma nova viagem a Italia e França, e desta vez...uma puta viagem. Paris ficaremos em um flat fora do circuito turistico, onde estivemos pela ultima vez em Mofitá, não é bem assim que se escreve mas pra registrar aqui está muito bom. E depois ...Toscana, 7 dias a poucos km`s de Lucca...e dai por todas as "communes" proximas. Desta ves se Deus quiser ja irei com minha nova Canon 60D, de 18 mpx que filma em HD... uma grande presente que me dei. Viramos o ano bem graças a Deus, só temos que agradecer muito a Deus por tudo que nos concedeu em 2010. Fev de 2011...vamos a viajar para a Europa ( França e Italia), novamente com minha irmãzinha Fanny e Cumprido, e meu amor Silvia. em junho deste ano. Fev 2011 - consegui vender minha Canon 50 D e comprei da BH minha Canon 60 D, estou feliz.

Passei um sufoco com o Fabricio na NZ com um terremoto que houve por lá, mas graças a Deus não foi nem perto da cidade dele. Fabiola e Marina estão bem, cada uma na sua. Fabiola com o Pet Shop lutando....e Marina com o Catã enchendo ela. mas graças a Deus todos estamos bem Só temos a agredecer ja estamos na fase de comprar o seguro viagem de nossa viagem a Europa em junho deste 2011. Bem...agora é esperar...que desespero hoje 4 de maio...faltam37 dias A espera continua...faltam 14 dias ...agora somente 10 dias Bem...a viagem foi uma maravilha, a Toscana do nónom Lucca não da nem pra falar...que maravilha, e depois Paris...isso então foi uma coisa...porque ficamos em um bairro de Paris que não é pra turistas, e a gente pode presenciar a vida, o dia a dia do parisiense. O bairro de Moufetard é simplesmente fantastico, e no proximo ano volto se Deus quiser.

Bem agora a proxima é EUA, quem sabe NYC... sem dúvida. É ...e foi NYC mesmo...por poucos dias, os primeiros 8 de outubro de 2011, mas foram maravilhosos. Passeios a lugares que ainda não conheciamos, Silvia e eu nos divertimos muito, comemos muito bem, bebemos muito bem, ficamos no Htl Pensilvania em uma localização fantastica.... Quando será a proxima ? Pra NYC? Não sei mas não quero demorar não Europa? Também está nos planos de 2012. Estamos no final  de 2011, Dezembro, e ja começamos a pensar num roteiro para o sul da França, região dos vinhos...a anciedade ja começou. Hoje 4 de março de 2012, faltam 60 dias exatos para nossa proxima viagem a Europa, agora pelo sul da França Já está tudo certo...é só esperar Hoje 20 de Abril...1 4 dias para embarque a Europa 2012.

Continuamos viajando nos anos seguintes, mas uma das viagens mais importantes foi em Novembro de 2013 quando fomos a Nova Zelândia visitar Fabricio, meu filho, que ja estava lá por 6 anos. Passaram-se 6 anos muito rapidamente e eu fiquei esse tempo todo sem visittá-lo. Ficamos por 45 dias, percorremos o país de Norte a Sul. Adoramos o país, realmente maravilhoso, e matei a saudade de muei filho.

Em 2014 viajamos mais algumas vezes, por Nova York, e também pelo sul da Espanha e e esticamos até Lisboa.

Sul da Espanha foi também uma viagem maravilhosa, Granada, Sevilha locais que devem ser visitados.

Mas em 2014 o fato mais importante foi a vinda do Fabricio em Dezembro daquele ano para passar o Natal e o Reveillon comigo, aproveite cada minuto de sua companhia, nos divertimos bastante.  

Neste ano de 2014 Marina desmachou seu namoro de muitos anos com o Gabriel, Fabiola definitivamente resolveu sua situação dom Rodrigo e os dois ja moram juntos ha algum tempo. Fabricio mudou de casa, de um apto no centro de WQellington para uma casa na beira de uma praia também em Wellignton.

2015: muita coisa aconteceu: meu contrato de consultoria com o Htl Faial não foi renovado e eu definitivamente parti para aposentadoria, e acho que não volto a tarbalhar novamente. Fabricio vai receber seu passaporte de residente na NZ, Fabiola vai tentar a vida no Canada e em Agosto deste 2015 vai se mandar, e...Marina esta se mudando para o apto do Marcelo seu novo...Namorado ou futuro companheiro.

Essas mudanças mexeram um pouco com minha cabeça, estou abalado por possivelmente não ter os filhos por perto e a Marina perto mas como sempre o jeito dela...distante!.

Vamos viajar novamente este ano por 8 dias em NYC, nossa viagem preferida.

Eu e a minha vida SIlvia cada vez mais proximos e necessitados de um do outro, muitos dias passamos sem sairmos de casa um ao lado do outro...e muito bem, muito agradavel.

No proximo ano muito provavelmente viajaremos juntos com a Fanny e o Gi (Cumprido), para onde? ainda não sabemos, eles querem Italia ( Toscana) por onde ja fomos algumas vezes. Pretendo sugerir Croacia, paises do leste europeu, minha grande vontade.

Continuo afirmando que os meus 70 anos, 2017, passarei meu aniversario em Lucca, junto com os filhos e com meus amigos ( Fanny/Gi,  Rigol/Andrea, penso muito no Thomaz também mas acho dificil)

Falando em Thomaz meu irmão, ele voltou para morar em SP em Julho de 2015 e me avisou que estava mudando, mas até hoje Agosto ainda não se comunicou comigo apra nos encontramos, estou ansioso por isso.

 

MICHELLE CHICCA - 08 DE SETEMBRO DE 2021

 A grande novidade destes ultimos anos aconteceu em 8 de Setembro de 2021, nasceu minha primeira e talvez unica neta, MICHELLE CHICCA. Uma neozelandesa linda, filha de meu filho Fabricio e Maria. Foi uma das emoções maiores da minha vida os ultimos anos, não sei expressar o que senti na realidade. 

Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+