Busca avançada



Criar

História

Minha experiência da “quarentena”

História de: Giselle Souza Gonçalves
Autor: Giselle Souza Gonçalves
Publicado em: 22/06/2020

Sinopse

Diário de Giselle Souza Gonçalves, 19 de junho de 2020.

Tags

História completa

Bom, não sei em que dia estamos da “quarentena”, coloquei entre aspas porque estamos na verdade na “flexibilização da quarentena”, e ligeiramente eu fico me perguntando: será que coronavírus diminuiu no nosso país? Será que está ficando tudo bem? Será que posso ver a minha família e amigos sem medo de contamina-los ou o inverso? Infelizmente não, não está tudo bem, e isso me dá um certo desespero! Eu entendo que as pessoas que cuidam da saúde dos outros precisam sair de casa arriscando suas vidas para salvar outras, mas e as pessoas daqui da minha cidade, por que estão saindo? Do meu Estado por que estão saindo? Será que esse vírus não é tão mortal quanto eu penso? Será que na verdade somente eu estou com receio de sair de casa? Eu penso muito na questão da solidariedade, penso na questão da importância que as pessoas tem na minha vida e vejo que eu me importo sim, com a minha família, com meus amigos, com as vidas que estão se perdendo, com as pessoas que estão saindo e penso no que eu poderia fazer para melhorar isso e me vejo parada, sem poder fazer nada, porque eu não posso sair de casa porque sou do grupo de risco, pois tenho problemas respiração.

Eu evito muito ver quantas pessoas estão morrendo ou quantas estão sendo contaminadas, mas gosto de ver quantas estão sendo curadas e quando poderei sair da minha casa e ir pra minha faculdade, pegar um trem, comer uns lanches no Mc sei lá.

Mas fora isso, nessa quarentena eu fiz várias chamadas de vídeo com alguns amigos (as). E eles que me ligaram, porque eu não sei qual o meu problema, mas eu esqueço de mandar mensagem, de perguntar como a pessoa está, não é porque eu não me importo, é claro que eu me importo, só não lembro as vezes! Kkkkk. Eu pintei meu cabelo de loiro, cortei meu cabelo em casa e fiz tranças com barbante mano, meu cabelo caiu pra caramba depois das tranças. Chorei pra conseguir responder as provas da faculdade que estavam IMPOSSÍVEIS! Mas até agora tirei dois 10 graças a Deus!

E pra encerrar o diário desse dia vou falar um pouquinho de Deus também, que Ele que tem me sustentado até agora e sempre me sustenta, interessante ver como o padre da minha paróquia se adaptou a transmissões nas redes sócias para mostrar que para buscar a Deus não é tão difícil e fez com que as missas fossem transmitidas e eu achei isso excelente!

Bom, é isso, que Nossa Senhora interceda por todos! Beijos

Ver Tudo PDF do Depoimento Completo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+