Busca avançada



Criar

História

Memórias de Paula

História de: Magic Paula
Autor: Alunos da escola Prof. Adolfo Basile
Publicado em: 11/11/2021

Sinopse

Paula nasceu em Osvaldo Cruz e desde criança era apaixonada por esportes. Aos onze anos, descobriu o basquete e nunca mais se afastou dele. A medalhista olímpica hoje mora em um sítio em Piracicaba e continua sua carreira se dedicando à Confederação Brasileira de Basquete e à equipe brasileira de basquete feminino.

Tags

História completa

Maria Paula Gonçalves da Silva nasceu em Osvaldo Cruz, em 1962 e, há algum tempo, decidiu morar em Piracicaba. Foi uma das melhores jogadoras de basquete do Brasil. Para muitos, Magic Paula. Para nós, Paula. Criança curiosa, os primeiros sons do basquete foram percebidos ao ouvir uma professora batendo a bola na quadra e arremessando na cesta. Sua primeira cesta? Em uma tampa de vaso sanitário que encontrou em um terreno baldio e levou para casa, onde ficou arremessando até anoitecer, utilizando velas para enxergar. Amante dos esportes, participava de todos que podia no clube, mas com um combinado com seus pais de se dedicar aos estudos antes de jogar. Observadora, ficava atenta aos movimentos dos jogadores que via para imitar em casa. Assim, sua paixão pelo esporte crescia e Paula começava a ser notada. Aos onze anos começou a jogar basquete e aos doze já participava de vários campeonatos e até morou na casa de seu treinador, em outra cidade. Apesar de se sentir acolhida, sentia saudade de sua família e de seus amigos. Os desafios foram grandes e, aos catorze anos, Paula já estava na Seleção Brasileira de Basquete, participando de olimpíadas e mundiais. Visitou, jogou e morou em várias cidades e países, se dedicando ao que mais gostava de fazer: jogar. Nesse período, seus pais decidiram criar raízes em Piracicaba, local onde a atleta jogou por muito tempo e, mais tarde, Paula também escolheu essa cidade para viver, optando por um sítio em uma área um pouco mais distante e calma. Paula considera que o basquete lhe trouxe muitas coisas boas, mas as amizades e os valores, foram as principais. Ela já não joga mais, mas não deixou o esporte. Atualmente, é gestora de esporte, vice-presidente da Confederação Brasileira de Basquete, coordenadora da equipe brasileira de basquete feminino e, através de uma ONG que ela mesma fundou, auxiliou muitas crianças através do esporte por anos. Ela não se considera famosa, se considera uma pessoa que se dedicou a fazer bem o que escolheu fazer. Brincalhona, diz que não é uma celebridade, que está mais na “idade” do que na “cele”.

Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+