Busca avançada



Criar

História

Lixo e arte como renda na pandemia

História de: Cleia Pinto
Autor: DHIS PUC-Rio
Publicado em: 28/06/2021

Sinopse

Cleia da Silva Pinto é artesã e morou desde o seu nascimento até os 37 anos na favela da Rocinha. A artesã conta que durante sua infância na Rocinha, conheceu um senhor, chamado Tio Lino, com quem aprendeu a arte do artesanato. A artesã conta que devido à falta de recursos, os materiais eram aproveitados das lixeiras e com esse aprendizado ela trabalha até os dias de hoje com materiais recicláveis. Quando adulta, Cléia mesmo não morando mais na Rocinha, decidiu ensinar o artesanato como arte terapia e fonte de geração de renda para mulheres entre 25 e 59 anos de idade. Durante a pandemia, a artesã impedida de continuar as oficinas presenciais, entregou kits de materiais para que as alunas produzissem de suas casas. Os primeiros produtos desse trabalho remoto foi a produção de máscaras que posteriormente foram doadas na própria comunidade. Os demais trabalhos produzidos são comercializados pela Cléia e o dinheiro é repassado integralmente para sustento das alunas. 

Tags


Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+