Busca avançada



Criar

História

Eternidade

História de: Elizabeth Alves
Autor: Elizabeth Alves
Publicado em: 30/05/2015

Tags

História completa

Na virada do ano de 2014 para 2015 peparei tudo com muito carinho. Fiz uma linda mesa e quando o relógio marcou zero hora, estourei o champanhe pedindo a Deus um amor verdadeiro. Que me ajudasse a crecer espiritualmente, já que a minha vida até os meus 32 anos era cercada de decepções amorosas. Terminei a noite hiper satisfeita.

Na mesma semana recebi um convite de uma amiga para sair. Era sexta feira, em pleno verão carioca. Realmente! Eu estava precisando sair para espairecer. Encontrei com ela no local marcado. Sentamos em uma mesa e ficamos conversando, e entre um chop e outro senti vontade de fumar. Peguei um cigarro, mas me lembrei que eu estava sem isqueiro. Quando eu menos esperei, vi uma mão se oferecendo para acender. Eu estava sentada e olhei para cima. E olhei dentro dos olhos da pessoa que fez a gentileza. Foi como se eu conhecesse aquele olhar. Eu o conhecia.

Conforme a noite ia passando, nos olhavamos intensamente. Chegou um momento que ele me chamou para dançar e dançamos. Não apenas uma música, dançamos várias músicas e até o cheiro me era familiar. Conversamos como se fossemos conhecidos de décadas, de uma vida inteira. No final da noite, quando eu estava prestes a ir em bora, ele se prontificou a me levar em casa. Primeiro levamos a minha amiga. Depois quando estávamos sozinhos na porta de minha casa, dentro do carro. Pude sentir o beijo.

Nossa! O universo se abriu em uma explosão única e tudos os conceitos que eu tinha sobre "amor à primeira vista" se escancara ali mesmo. E todos os medos de amar também se foi. Em um único beijo. Foi mágico. Trocamos telefone. E no decorrer da semana nos falamos todos os dias. Até que chegou o dia que tivemos mais uma oportunidade de nos vermos e foi muito intenso. O corpo dele respondia ao meu. Fomos nos vendo com frenquência...e cada minuto ao lado dele era como se o tempo parasse. Não existia tempo.

Eu sempre ia na casa dele. Ficávamos a maior parte do tempo lá, pois em minha casa meu pai é alcoolatra e ele estava passando uns tempos em minha casa. Eu tinha vergonha de convidá-lo para entrar, pois a minha casa fedia a buteco. Até que uma vez decidimos sair, e nessa saída discutimos, pois ele cismou que eu tinha alguém e por isso ele nunca entrava em minha casa. Expliquei o porquê, mas não o convenceu.

Um dia ele me ligou de madrugada dizendo que estava com saudades. Fez eu pegar um taxi. E ao chegar. Nossa, eram beijos carinhos. Ele realmente estava com muita saudades. Até então eu sabia dos meus sentimentos. No dia seguinte, voltei para minha casa e, derrepente, ele não falou mais comigo. Eu sem entender, perguntei em uma mensagem o porquê ele estava sem falar comigo. Ele apenas me respondeu: "Estou em um conflito dentro de mim, passei por uma decepção amorosa recentemente e estou com medo de me machucar, as coisas foram ficando de um jeito que eu estou gostando muito de você e não sei o que fazer, preciso ficar um pouco sozinho".

Eu apenas respondi que iria respeitar o silencio dele. E me silenciei também. Sofrendo achando que ele não estava nem ai para mim. Sendo que depois de tantas demostrações, talvez o que ele esperava era uma demostração minha também. E eu me silenciei. Passou duas semanas, chegou o meu aniversário e nada dele quebrar o silêncio. Fiquei me perguntando o que de ruim eu havia feito para não merecer um simples feliz aniversário dele.

Passou-se uma semana após o meu aniversário. Reparei a última vez que ele tinha entrado em seu whatsapp. E percebi que tinha algo extranho. Ele não estava mais entrando em facebook e whatsapp. Criei coragem e perguntei a um ex-cunhado dele se tinha acontecido algo. Nossa! Meu mundo caiu. Foi como se eu tivesse perdido o meu chão. Ele havia sofrido um acidente de moto. Estava bêbado e em alta velocidade. Se chocou contra um poste. Três dias antes de meu aniversário. Testemunhas dizem que ele fez de propósito. E está em coma.

Hoje me arrependo dia após dia por não ter mostrado o quanto eu o amo. O quanto ele é importante na minha vida. O quanto eu sofro só de pensar que te falte vida. E é com lágrimas escorrendo de meus olhos que conto essa linda e triste história. Eu pedi um amor que me trouxesse equilibrio espiritual. E hoje, após anos de minha vida, eu voltei a dobrar os meus joelhos para Deus que não leve o meu grande amor. Não vou parar de orar, mesmo que me sinta cansada. Nem que dure a eternidade. Deus há de me ouvir. Então, quem ler essa história. Se tiver que dizer um EU TE AMO A ALGUÉM. Diga agora.

Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+