Busca avançada



Criar

História

Escutando as senzalas

História de: Liane da Silva
Autor: Liane da Silva
Publicado em: 05/06/2020

Sinopse

Diário de Liane da Silva, 2 de junho de 2020.

Tags

História completa

Esculto o ruido dos chicotes todas as vezes que fecho meus olhos! Ele enclinava seu corpo para trás pata pegar mais força...Então quando via minha pele que era retinta estava avermelhada, com cortes fundo que no final deles tinha uma "cor branca". Meu belo black eu, via cai no chão porque a faca afiada do meu " patrão" sempre acabava sendo usada em mim. " Quero que você venha me esfregar" disse o meu "patrão" pra mim, mais sabia se entrasse ali talvez não seria somente aminata de bebê novo na senzala que talvez poderia vim Dandara, contakinte, kint...e muito outros. Então entrava e por algum ele sempre deixava cair alguma coisa no chão porque sabia que eu iria ter que me abaixar pra pegar!Então com receio eu me abaixava rapidamente, para que ele não tentasse nada comigo. Viro-me de costas então escuto um barulho, eu com medo de ter batido em alguma coisa, abro meus olhos que prometi abrir somente quando eu saisse do quarto, vejo meus seios de fora, assustada ponho as mão para escondelos...mas lembrei que na noite passada ele já rasgado outra " blusa" minha simplesmente para observar meus seios por alguns minutos e massagea- los por alguns segundos. ( sinto nojo! Só de lembra da quelas mãos brancas em meus seios) então escultei o barulho do longo vestido da " sinhazinha" pelos corredores a caminho do quarto então pensei: ufa dessa vez minha saia ficara enteira, ainda bem tinha custurado ela na madrugada em que não eles não tinham acorrentado as minhas mão. Rapidamente me jogo no chão, começo a escovar, porque sabia que a " sinhazinha" passaria por mim como se eu nem existisse! Ela passou por mim eu, rapidamente corri para a senzala por a mesma blusa que eu estava usando nos três dias passado. Volto para o quarto rapidamente, sabia que ela iria me chamar quando o ponteiro do relógio apontasse pro 10, olho para o final do corredor e já está no 9 conto 1, 2, 3, 4, 5 ( pra sinhazinha eu não sei conta nem até 3) Então escuto ela me chamando, entro ajudo ela tira seu longo vestido, sirvo a janta. Então ela me despensa. "Hora de dormi disse ela ao seu marido" como sei que amanhã cedinho, na luz do sol eu terei que por o café na mesa! Aproveito os grão de arroz que conseguir pega, como eles rapidamente, faço tranças nas minhas irmã de senzala da forma do mapa que estava na mesa do meu " patrão" para que amanhã cedo elas passam fugir usando as tranças como rota de fuga afinal estava igualzinho o mapa. Custuro outra blusa pra mim quando fui vê já era quase a hora de acorda, resolvo dormi! Se não amanhã cedo acordarei com um balde de água gelada na cara!

Sonhei que estavamos todxs livres podendo sair na rua sem correntes! Pena que foi somente um sonho porque as correntes apenas ficaram transparentes, sem cor mais eu ainda sinto o peso de cada uma delas!!

Em 2019 peguei o chicote da mão do meu "patrão" , vesti o longo vestido da " sinhazinha" e gritei para que achassem as chaves de cada senzala de cada corrente que estava nos corpos do MEU POVO! Então gritei DANDARA e ela me respondeu!!

LIANE DA SILVA

Ver Tudo PDF do Depoimento Completo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+