Busca avançada



Criar

História

As duas famílias de Maurício

História de: Maurício Ribeiro
Autor: Deise Soares de Freitas
Publicado em: 19/09/2016

Sinopse

Por: Deise Freitas, Larissa Mascolo e Ulisses Miranda

 

Maurício deixou sua família no interior do RS com a esperança de ajudá-la. Em Porto Alegre, encontrou bem mais que isso...

Tags

História completa

 

DA TERRA RACHADA 

 

Maurício dos Santos Ribeiro, 33 anos, solteiro, nasceu em uma família humilde em Coronel Bicaco, cidade do noroeste gaúcho. É um dos mais velhos dos 17 filhos da dona Helena e seu Sebastião. Já pequeno ajudava seus pais na lavoura. A maior dificuldade para manter uma família grande com poucos recursos aparecia em períodos de estiagem. E foram vários. A seca arrasava a pequena cidade, rachava a terra e dela quase nada crescia. Apenas abóbora. Era o único alimento para todas as refeições: do café da manhã ao jantar. Num desses períodos, Maurício foi apresentado a uma conhecida de muitos brasileiros: a fome. Parentes que moravam em cidades próximas tentavam amparar a família do jovem enviando alimentos. Nem sempre o que chegava era suficiente. Embora ajudasse no trato da terra, Maurício sempre foi incentivado a estudar. O pai insistia para que ele permanecesse na escola. Queria que – diferentemente dos pais – soubesse pelo menos escrever o próprio nome. Contudo, mal havia completado 14 anos quando perdeu o pai, vítima de um acidente vascular cerebral aos 63 anos. Abandonou a escola, um ano depois, decidido a trabalhar para ajudar a mãe. Aos 16 anos, Maurício deixou 11 irmãos – mais novos – aos cuidados de dona Helena. Saía de casa atrás de esperança. Foi para Porto Alegre agarrado à promessa de ajudar a família de alguma maneira. 

 

NA RUA DE ESPERANÇA 

 

Ao chegar à capital, Roberto, amigo de infância, lhe conseguiu emprego. E um teto. Trabalharam na obra da 3ª Perimetral (via que liga as zonas Sul e Norte de Porto Alegre). Após um ano, com o término das obras, Maurício precisava de um novo trabalho, mas também de um novo lar. A família de Roberto estava crescendo e a casa ficando pequena. Foi nesse momento complicado de sua trajetória que Maurício conheceu Jocemar. O novo amigo lhe conseguiu emprego. E também um teto. Ou quase isso. O lugar de descanso após um dia de trabalho, durante algum tempo, foi um Chevette. As coisas mudaram quando Maurício conheceu os pais de Jocemar. Dona Liberalina e seu Laurindo não tinham conhecimento sobre o "novo morador". Então, enquanto Maurício tomava café com Jocemar, foi surpreendido pela dona da casa. O susto passou ao ser rapidamente tranquilizado por dona Liberalina que o encorajou a terminar sua refeição. E fez mais. Ouviu a história de Maurício e, comovida, ofereceu um lugarzinho adequado para que pudesse dormir. Sem nenhum custo. Com o passar do tempo – e dos anos – obras e funções mudaram. A morada continua a mesma.


UM CAMINHO ATÉ O ACOLHIMENTO


Por alguns anos, a promessa que fez ao sair de casa foi cumprida. Conseguiu ajudar a mãe e os irmãos até o momento que ela não precisou mais. Dona Helena se aposentou e os irmãos de Maurício cresceram. Recentemente, o contato com os familiares de Coronel Bicaco foi perdido. Poucos meses atrás, Maurício foi assaltado. Levaram seu celular e com ele os números da mãe e dos amigos de sua cidade natal. A dificuldade em contatar os parentes não diminui a vontade de revê-los. Pelo menos uma vez no ano Maurício tenta ir até a região noroeste do Estado. No momento está se organizando para visitar a família. Essa é a única maneira de lograr novamente todos os números perdidos.

 

O bicaquense já é parte da família de moradores do bairro Agronomia, em Porto Alegre. Maurício, inclusive, é padrinho de um dos netos de dona Liberalina e seu Laurindo. O filho de Jocemar, está com 2 anos e não desgruda do “dindo”. Num terreno grande, localizado no alto do morro, mais de 20 pessoas, entre adultos e crianças  cães e gatos , dividem-se em casas de material e de madeira. Aos poucos eles mudam a disposição das casas, sempre conforme a necessidade, seja um nascimento ou adoção de um novo membro para esta família numerosa. Obviamente, para Maurício isso não é problema. Acostumado a dividir o pouco que tinha com seus 16 irmãos, hoje ele mantém a escrita de morar com muitas pessoas. Só que agora sob a perspectiva de esperança que um dia o levou a deixar o pequeno município de Coronel Bicaco.

Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+