Busca avançada



Criar

História

Encontro no Brasil

História de: José Lorber Rolnik e Farid Balaciano Lorber Rolnik
Autor: Ana Paula
Publicado em: 07/06/2021

Sinopse

José e Farid sempre procuram sustentar as tradições, mantendo os costumes e a cultura de seus familiares de geração em geração, como festas e dias importantes de sua religião. Ambos amam o Brasil e não trocariam sua moradia aqui por nenhum outro país.

História completa

Projeto Memória e Migração Realização Instituto Museu da Pessoa Entrevista de José Lorber Rolnik e Farid Belaciano Lorber Rolnik Entrevistado por _____ São Paulo, 7 de dezembro de 1991 Código: MM_HV006 Transcrito por Beatriz Mesalira Alves Revisado por Paola Feltrin Ramos P/1 – Eu gostaria que cada um dissesse o seu nome completo. R/1 – José Lorber Rolnik. R/2 – O meu é Farid Belaciano Lorber Rolnik. P/1 – Onde vocês nasceram? . R/1 – Eu nasci em São Paulo, capital. R/2 – Eu nasci no Líbano, em Beirute. P/1 – Farid, quando foi que você veio para o Brasil? . R/2 – Nós viemos em abril de 1957, do Líbano diretamente para o Rio de Janeiro. P/1 – Certo. Vocês saíram por quê? . R/2 – Porque meus pais achavam que aqui no Brasil nós teríamos mais chances de ter uma vida um pouco melhor do que no Líbano. Como realmente aconteceu. Por ser um país em guerra e tudo mais e porque o meu pai tinha família aqui também. P/1 – Certo. José, os seus pais são imigrantes. Eles vieram de onde e por quê? R/1 – Meus pais vieram da Polônia, fugidos da Segunda Guerra Mundial. P/1 – Certo. No caso, você conhece a origem do seu nome? R/1 – Meu nome tem um misto alemão e polonês. O “Lorber” significa loureiro. P/1 – Loureiro? R/1 – Louro, loureiro. E o “Rolnik” seria um agricultor, trabalhador da terra. P/1 – Certo. Farid, seu nome, você tem ideia da origem? R/2 – Não. Eu só sei que o nome veio de Portugal. Não sei exatamente o que significa. Só sei que veio de lá. P/1 – Certo. E quais os costumes que a família manteve que vocês procuram preservar dentro de casa?. R/1 – Esses costumes são os costumes que nós trouxemos de ____, de origem judaica. Procura-se manter e passar a tradição de geração em geração aos filhos. R/2 – Basicamente as festas judaicas, né? P/1 – Certo. Gostaria que um de vocês me descrevesse uma dessas festas. R/1 – São várias. Nós temos a Páscoa, que são sete dias em que se deixa de comer todo e qualquer alimento fermentado. Existe a Semana das Cabanas, em que se procura durante oito dias fazer todas as refeições dentro dessas cabanas. Estamos passando hoje o penúltimo dia da Festa das Luzes, uma tradição que remonta a mais ou menos 2500 anos atrás da destruição do templo para os gregos. Conta-se que houve um milagre de um mínimo de óleo que havia para acender e esse óleo durou oito dias, a quantidade suficiente para se preparar um novo óleo. A isso se traduz hoje em dia e a cada um dos oito dias se acende uma vela ou uma chama a mais em recordação ao milagre ocorrido naquela época. P/1 – Certo. Vocês continuam estudando as tradições e mantendo o vínculo? R/1 – Sem dúvida. P/1 – Certo. Como foi o tratamento que vocês receberam dos pais de vocês? Eles incentivaram vocês a uma profissão? Incentivaram fazer uma atividade diferente da que vocês têm hoje em dia? Como foi isso? R/2 – No meu caso, meus pais sempre fizeram muita questão que os filhos todos se formassem, fizessem uma faculdade. E realmente todos somos formados. Cada um tem a sua profissão e a minha, eu sigo até hoje. Sou professora e faço o que eu realmente gosto. R/1 – No nosso caso não foi muito diferente, embora, como eu contei aqui, são imigrantes que vieram fugidos da guerra e praticamente chegaram no Brasil vindo de outros países que não os receberam bem, vieram praticamente com nada no bolso, reconstruíram suas vidas aqui neste país e puderam tentar fazer o melhor deles dando educação, estimulando que os filhos estudassem. Eu tenho dois irmãos que hoje são jornalistas e eu sou médico, todos nós tivemos a chance de poder estudar. P/1 – Certo. Você poderia me traçar um pouco a trajetória dos seus pais, a saída deles da Polônia? Onde eles moravam, onde nasceram e a trajetória até o Brasil? R/1 – Eu posso tentar reorganizar aqui, mas ____[risos]. Meus pais são oriundos de duas aldeias próximas na Polônia. Uma é tradicionalmente conhecida como a “Portugal da Polônia”, é uma cidade chamada Hel, que conta muitas piadas a respeito dos habitantes dessa cidade, como nós hoje fazemos aqui dos portugueses [risos]. E a outra é de uma aldeia próxima, 12 km, ____. Nós falamos 12 km lá, hoje isso não é mais uma distância. Durante o Pacto de Ribbentrop, se não me falha a memória, de não angariação entre alemães e russos, houve uma invasão por parte dos alemães em cima da Polônia e todos os judeus que moravam na faixa de fronteira próxima da Rússia pensaram que na Rússia estariam mais garantidos, pelo menos na sua sobrevivência, e fugiram. Isso aconteceu com os meus pais. A permanência deles na Rússia não demonstrou bem isso, foram tão perseguidos ou mais perseguidos do que pelos próprios nazistas. Eles ainda tiveram a oportunidade de escapar algumas vezes de execuções coletivas, voltaram para a Polônia e de lá começaram uma peregrinação passando por alguns países da Europa. Passaram a ter a ideia de vir para a América do Sul, ficaram na Bolívia durante algum tempo. Bolívia-Buenos Aires e Buenos Aires estabeleceram-se em São Paulo. P/1 – Certo. Farid, toda a sua família veio junto? Seus pais e seus irmãos. Vocês vieram diretamente ___? R/2 – Sim. Direto. Foi, Beirute-Rio de Janeiro, passando por algumas cidades da Europa de navio e quase um mês de viagem. Mas, foi direto porque os parentes do meu pai moram no Rio. Então, nós viemos diretamente para o Rio de Janeiro. Teve altos e baixos [risos]. P/1 – Certo. E a sua mudança para São Paulo? Vocês gostam de São Paulo? R/2 – Sim. Antes de virmos para São Paulo, moramos no Paraná. Nos casamos no Rio, fomos morar sete anos no Paraná e faz sete anos que moramos aqui em São Paulo. Sem dúvida nenhuma, Rio e São Paulo, para mim, são os melhores lugares do Brasil [risos]. P/1 – E ____, o que vocês acharam da exposição? R/2 – Eu não tive a oportunidade de conhecer a do Rio, soube que foi muito boa, muito completa. Eu vim ver só essa aqui, mas estou muito contente, está muito bonita, apesar de ser um pouco mais restrita que a do Rio. P/1 – Se vocês fossem emigrar hoje, vocês iriam para onde? Tem alguma ideia, algum desejo? R/1 – Olha, é muito difícil de responder isso. Nós estamos vivendo hoje o final de 1991, uma crise no nosso país, ainda assim, o país sobrevive apesar de tudo e nós fazemos parte do conjunto que leva esse país para frente. R/2 – Eu sairia de São Paulo para ir para São Paulo mesmo [risos]. Não iria para outro lugar. Só trocaria São Paulo pelo Rio de Janeiro. Só isso? P/1 – Só isso. Obrigada. R/1 – Eu que agradeço. R/2 – Obrigada. -----------Fim da Entrevista-----------
Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+