Busca avançada



Criar

História

Da coleção para a vida

História de: Debora Cristina
Autor: Debora Cristina
Publicado em: 10/06/2015

Sinopse

Após criar amor pelas coleções, aprendi a criar amor pelas histórias que elas me proporcionavam.

Tags

História completa

O Brasil vivia um momento de expectativa muito grande quando nasci, acontecia a Copa do Mundo de 94. Era um nervosismo gigantesco para que o Brasil fosse campeão. Enquanto isso, minha mãe passava um nervosismo muito grande para que eu nascesse, com dificuldades na hora do parto, os médicos acharam que eu não iria sobreviver, mas aqui estou e vou lhes contar sobre como virei uma colecionadora de coisas.

Quando eu tinha uns dez para onze anos eu queria ganhar meu próprio dinheiro para comprar lanche e não ficar pedindo mesada pra minha mãe, com isso, comecei a juntar latinha para poder vender no ferro velho. Depois de um tempo juntando latinha para vender, descobri que eles preferiam as latinhas sem os lacres, fiquei com um grande dilema “o que fazer com os lacres?”, a partir daí eu comecei a colecionar lacres de latinhas. Eu guardava todos os lacres em garrafas de refrigerante de dois litros. Cheguei a ter seis a sete garrafas cheias de lacres.

Com o passar do tempo eu senti a necessidade de colecionar alguma coisa diferente, só não sabia o que, até que então eu ganhei um cartão telefônico e a partir daí comecei a colecionar, eu ia para uma padaria perto de casa e ficava olhando as pessoas usando o telefone público torcendo para que elas largassem o cartão sem unidades por ali, e quando eu achava cartão com unidade, eu me sentia a pessoa mais vitoriosa do mundo. Fui criando apreço por coleções, então comecei a aumentar as coisas que eu colecionava, passei a juntar moedas antigas, bolinhas coloridas dessas maquininhas que ficam em panificadora e que custam um real, ainda não parei com essa coleção e atualmente eu coleciono garrafas de cerveja, por ser minha bebida preferida resolvi juntar garrafinhas, não bebo mais, mas continuo colecionando as garrafas, o legal é que nessa coleção quando chega época de aniversário, meus amigos nem precisam pensar muito no que me dar, logo me dão uma garrafa para aumentar minha coleção.

Com as coleções eu aprendi a ser uma pessoa mais responsável com aquilo que era meu, tive a experiência de saber que certas coisas a gente só consegue com muito esforço, para pegar os cartões eu precisava ficar lá esperando, porque ninguém iria ficar comprando cartões telefônicos para me dar, já na coleção de latinhas eu aprendi que todo trabalho é trabalho independente de qual nível de superioridade você está, eu juntei latinha para poder juntar dinheiro e mais tarde para fazer uma coleção e com isso aprendi a dar valor para as pessoas que catam materiais recicláveis para poder ter o seu sustento de cada dia, com a coleção de moedas eu quis saber mais sobre história, saber por que a moeda mudou ou o porquê a carinha de alguém estava estampado lá, de diferentes formas as coleções me ensinaram algo que vou levar para a vida, que vou ensinar aos meus filhos.

Quero continuar fazendo coleções, quero continuar aprendendo sobre diferentes coisas, quem sabe não começo a colecionar coisas como viagens, sorrisos, eu não sei qual será a próxima coleção, mas eu sei o que eu não quero, e o que eu não quero é parar.

Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+