Busca avançada



Criar

História

CTBC por amor!

Sinopse

Um mundo sem tanta maldade; a casa humilde dentro de uma cidade pacata; os 14 irmãos auxiliando a zelosa mãe nas tarefas domésticas; o pai trabalhador: é assim que Durval se recorda da cidade de nascimento, Patrocínio. Do mundo do trabalho, relembra das primeiras experiências e do precoce gosto pela área comercial. Na CTBC, encontrou nos chefes exemplos de fé e competência que hoje tenta repassar aos filhos, ao mesmo tempo em que se orgulha por fazer parte dessa família que compõe a Companhia.

Tags

História completa

P/1 – Boa tarde, Senhor Durval. Muito obrigado por ter vindo aqui e aceitar o nosso convite. Eu queria que o senhor, para início de conversa, dissesse, por favor, o seu nome completo, o local e a data do seu nascimento.

 

R – Eu me chamo Durval Barbosa de Rezende Filho e eu nasci em Patrocínio, Minas Gerais, no dia 26 de maio de 1951.

 

P/1 – O nome do seu pai e da sua mãe, por favor.

 

R – Papai se chamava Durval Barbosa de Rezende, e a mamãe Helena Florentino de Rezende.

 

P/1 – Qual que era a atividade de seu pai?

 

R – Papai era comerciante, trabalhou no ramo muito tempo, ramo ourives, mexendo com ouro, e mais no final o papai pegou uma representação lotérica – loteria federal e loteria mineira – e fazia a distribuição. E bem já no final, depois de aposentado, papai resolveu continuar com essa atividade. Pegava uma pastinha dele, punha uma meia dúzia de bilhete e ia vender os seus bilhetes também. Então ele foi assim, um comerciante, começou com ouro, cansou daquilo ali, chegou a criar os seus filhos e depois passou pra ter uma atividade e não ficar inoperante. Ele fazia isso até o final de sua vida, que foi o ano passado, em dez                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                      de junho.

 

P/1 – E a sua mãe, Senhor Durval?

 

R – A mamãe sempre foi a mulher batalhadora, aquela leoa dona de casa. Criou apenas 14 filhos, então ela foi aquela que nos vestiu, nos ensinou as primeiras lições. Ela se preocupava com a alimentação de cada filho e até hoje sabe o gosto de cada um, como vestir, como arrumar. E naquela época a gente, em condições um pouco mais... Atribulado financeiramente do que hoje. Ela não tinha empregada, ela lavava, passava, arrumava e arrumava, aprontava o filho que ia namorar e sabia tudo. Então a mamãe foi isso. E a atividade dela sempre foi a de dona de casa, a doméstica da família, sabe, a rainha do lar.

 

P/1 – O senhor conheceu os seus avós?

 

R – Conheci só para o lado materno. O lado paterno eu não tive a oportunidade de conhecer, mas do lado materno eu conheci tanto o vovô quanto a vovó, a gente teve a oportunidade de conviver com eles.

 

P/1- O senhor se lembra do nome dos avós paternos e maternos?

 

R – O meu avô, Sebastião Florentino de Almeida, esse é o materno. E a minha avó Maria... Dona Maria Martins de Almeida, Maria Martins de Almeida.

 

P/1 – E da parte de pai?

 

R – Da parte de pai meu avô Virgílio, Virgílio Barbosa de Rezende, e minha avó, Avó Mariquinha, Maria... Ai, agora me apertou, porque a gente sempre esteve como Avó Mariquinha, nunca esquece.

 

P/1 – O senhor tem informação de ter ouvido de seus pais se os seus avós eram da região ou se vieram pra cá? Qual a origem deles?

 

R – Do meu pai os meus avós eram de Patrocínio mesmo, da região. O meu avô... Não, todos os dois de Patrocínio, da região. Eles tinham um lado um pouco voltado ao português, eles têm parentes, mas da região, eles nasceram em Patrocínio, nenhum de origem de fora. Da minha mãe foram nascidos próximos à Patrocínio, que foram de roça na localidade chamada Macaúba. Sempre foram pessoas voltadas à agricultura, então eles... Próximos, mas no município de Patrocínio também. Todos daquela região, nenhum fora não.

 

P/1 – Seu Durval, como é que era a sua casa antes disso, nesses 14 filhos? Aonde é que o senhor se colocava, qual era o seu lugar de ordem?

 

R – Quarto. De cima para baixo eu sou o quarto, abaixo de mim tem dez.

 

P/1 – E como é que era a sua casa de infância?

 

R – A minha casa de infância era uma casa simples, humilde, como da época, mas uma casa assim... O meu pai foi uma pessoa... Ele foi fantástico. Ele teve os seus 14 filhos e sempre nos deu assim, não aquele conforto com exagero, mas nós fomos de uma casa simples que nós tínhamos tudo. Era uma casa maior, uma casa grande onde dava perfeitamente pra viver toda a família, muito bem cuidada, tanto por parte da minha mãe como parte do meu pai. Uma casa saudável. Basta dizer que eu a tenho até hoje. Essa casa foi reformada por várias vezes, e ela está lá até hoje. É uma casa, digo, uma casa muito boa, grande. O papai foi muito preocupado [com a] família, ele viveu ele e a mamãe. Mamãe vive ainda por família, e o papai viveu pros filhos mesmo, sabe. Ele procurou dar à gente aquilo que foi da condição dele, se não teve mais é porque infelizmente não houve condições por parte dele. Mas desde que surgiu o telefone, a minha casa tinha um telefonezinho. Fomos conhecer televisão lá na copa de 70, acho que foi na copa de 70, foi a primeira televisão que nós tivemos. E uma casa comum, simples. Ela vem melhorando, com o passar do tempo os filhos... Cada um procurou dar a sua mãozinha, ajudar, batalhar.

 

P/1 – Nessa casa, com toda essa filharada, as crianças tinham algumas obrigações, tinham responsabilidades na casa? Como é que se estruturava essa _____________?

 

R – Olha, o papai foi uma pessoa que... Foi um professor na vida de todos nós. Ele dava obrigação pra gente, cada um ajudava, procurava dar uma mãozinha pra mamãe, porque era muita coisa, e ele fazia isso não com a imposição, fazia com uma sabedoria muito grande. Ele, sempre que pedia pra gente, colocava uma obrigação, aí ele chegava e colocava aquilo ali como uma história, contava uma história de alguma coisa e a gente acreditava naquela história do meu pai, e você começava a fazer. Por exemplo, eu ajudava muito a minha mãe na questão de cozinha, sempre gostei de cozinha, e quando era pra arrumar alguma coisa na cozinha, já estava ajudando a mamãe. Ajudava muito a questão de limpeza de quintal, que sempre a mamãe procurou ter a casa muito asseada, quintal. Então a gente ajudava naquilo ali, as meninas em alguma coisa... Na lavação de roupa ninguém nunca ajudou, essa não. Mamãe era enjoada na questão de cozinha. Na cozinha, dos 14 filhos, o que servia pra ajudar ela era só eu, mais ninguém podia pôr a mão na cozinha. Tinha a parte de banheiros, essa coisa que as minhas irmãs lavavam. Quando chegavam aqueles vitrôs grandes, quando chegava pra ser lavado, normalmente eu ajudava a mamãe, era eu e meu irmão, um mais velho do que eu, o Galeno. Aí nós pegávamos, nós que íamos lavar, arrumar tudo. Alguma das atribuições, cada um procurava, já tinha natural, não era uma imposição não. Mas, no fundo, essa filharada que foi... Tinha muitos pequenos, mas os maiores sempre procuraram ajudar um pouco a mamãe e o papai.

 

P/1 – E como é que vocês se divertiam, qual eram as brincadeiras ali da garotada?

 

R – Olha, a gente tinha uma vida muito saudável na nossa época, e o mundo não passava por essas maldades que passa hoje. A gente saía muito piquenique. O que é aquele piquenique? Nós íamos muito naquelas chácaras de conhecidos, fazenda de conhecido, alguns pequenos riachos. E você sentava ali, passava o dia na maior... Você levava a sua cesta de fruta e de lanches e ali você fazia. E em dadas vezes, às vezes, quando ia, por exemplo... Você pegava uma condução, uma caminhonete daquelas mais antigas ou caminhão, levava até material e fazia a sua alimentação ali. Ia, normalmente, a minha família e o irmão do meu pai, que tinha família e gostava também. Ali você brincava, passeava, dava aquela revista. Eu lembro muito bem que antes de chegar você colocava numa praiazinha, aí ia o meu pai e o meu tio e falava "Olha, vamos dar uma olhada primeiro no local e ver se não tem alguma coisa por perto." Isso umas duas vezes, com essa prudência deles, nesse divertimento nosso. Eles já encontraram , uma vez encontrou, inclusive, uma cascavel ali, próximo. E tinha essa parte que nós nos divertíamos, questão de cinema. O meu pai sempre foi uma pessoa muito culta, gostou sempre de cinema então, "Olha, vai pro cinema"... Acontecimento, tinha um circo, tinha alguma coisa, ele sempre liberava a gente pra ir. E tinha a parte que nós... A parte de esporte, futebol que praticava. As minhas irmãs sempre gostaram de um handebol, de um voleibol, todas elas – as minhas irmãs – praticaram esporte. Nós, homens, é mais futebol de campo e futebol de salão, essa brincadeira. Mas sempre teve, e não contando que tinha, na minha época, mas época novo, aquelas coisas de festinha, chamava as brincadeiras caseiras, aquele bailezinho dentro de casa. “Hoje tem em tal fulano de tal.” Conhecia? Conhecia. “Então vamos pra lá”, nós íamos pra lá. Sempre teve. Não tivemos coisas sofisticadas, mas tivemos uma vida muito saudável, muito bonita. O meu pai conduziu e a minha mãe conduziu a gente numa coisa muito sadia. Basta dizer que são 14 filhos e graças a Deus nenhum perdido.

 

P/1 – Senhor Durval, e a escola, como é que... A sua primeira escola lá?

 

R – Olha, escola nós tínhamos uma variedade, nós variamos um pouco de escola. A minha irmã mais velha começou numa escola chamada Escola Normal, estudou ali. Nós tínhamos, na época, as escolas estaduais. Tinha escola estadual e tinha as escolas particulares. Eu nunca estudei na escola estadual, comecei a estudar num grupo, aliás, num grupo estadual. Fiz o primeiro ano nesse grupo e depois fui pra uma escola, eu e mais os meus irmãos, nós estudamos lá – alguns deles –, chamado Escola Erasmo Braga. Essa escola era uma escola que... Muita saudade dela, porque é uma escola... O princípio dela era de um agregado. Tinha a igreja, tinha um mundo de coisas. Eram os protestantes, não que... Eu nunca fui protestante, não que lá só estudava protestante. Ela é regida por americanos, era uma escola muito rígida, mas uma escola que você aprendia. Quem estudava na Escola Erasmo Braga... Você saía e entrava em qualquer escola que você quisesse depois, fazia a quinta série chamada admissão, mas essa admissão nós fazíamos ela nessa escola em 15, 20 dias, e passava junto com aqueles que faziam em um ano. Nós tivemos essa escola. Eu tive Escola Alto Paranaíba, que foi uma escola técnica, Professor Olímpio, todas as escolas. O meu pai se preocupou muito com esse aspecto da educação, sabe, todos os filhos, nenhum filho ficou sem estudo. Enquanto permaneceu sob as (espensa?) dele, a dependência dele, todos os filhos estudaram. Ele primou muito. E a minha mãe era aquela preocupada com uniforme, com o jeito que você ia. Olhava a sua unha, olhava o seu ouvido, “Meu filho, mas a sua meia só tem o cano, furou, vem cá.” Aí você levava uns puxões de orelha. Mas muito preocupado sim com a questão da nossa escola. E graças a Deus, basicamente quase todos se formaram, sabe.

 

P/1 – E Patrocínio, como é que era Patrocínio nessa sua época?

 

R – Patrocínio, olha, é aquela cidade pacata, cidade de interior mesmo, é uma cidade muito tranquila, onde basicamente você conhecia todas as pessoas. As pessoas que estavam ali, dificilmente você ia encontrar uma pessoa que veio de fora. As pessoas que ali habitavam eram pessoas que estavam naquele êxodo rural, saíam da sua fazenda, vinha pra cidade, mas tudo da região. Então todas as pessoas você conhecia. E uma cidade sem... Na época, não existia violência, você saía – lá para a fase dos seus 16, 17 anos – e voltava tranquilo de madrugada. A única coisa que você tinha medo era daqueles tabus “Olha, vai aparecer isso pra você, ou aquilo.” Mas de gente mesmo, viva, nós não tínhamos medo, na época. A gente tinha medo, mais medo de um morto do que de um vivo, é totalmente o inverso. É uma cidade de paz, uma cidade muito gostosa de se viver. Hoje é muita gente de fora, pessoas que você não conhece e já não tem conhecimento nenhum. É muito... Como se diz, a maldade hoje está em qualquer lugar. Naquela época era tranquilo, muito tranquilo mesmo, cada um tinha a sua namoradinha e conhecia o pai da namorada, a mãe, mas eles conheciam o meu pai, minha mãe, conheciam os meus irmãos, sabia quem era. Então não tinha... Muito sadio.

 

P/1 – Senhor Durval, e paralelo a essa formação educacional, digamos, quando é que o senhor começou a trabalhar, efetivamente?

 

R – Bom, eu comecei a trabalhar em Patrocínio, e comecei muito novo. Eu comecei a trabalhar, fui trabalhar inicialmente numa tipografia. E eu trabalhei nessa tipografia menino, fui pra lá e com a promessa de, é lógico, de salário e de tudo, e eu trabalhei o primeiro mês... Eu não sei se você sabe, tipografia ela tem uma tinta que pega na sua roupa e não sai mais. E ali eu não tinha experiência, eu não sendo um porcão... Mas as minhas roupas basicamente que eu ia para lá, todas elas sujavam. O primeiro mês eu não recebi, o segundo mês também não recebi, aí no terceiro mês eu cheguei e falei com o meu pai, falei “Olha, eu não vou ficar mais lá porque eu não vou trabalhar, eu não quero essa profissão.” Não é que eu queria. “Eu não vou trabalhar de graça não.” Além de eu fazer o serviço lá, eu tinha que fazer o serviço de limpeza, porque eu era o mais novo. Eles me davam a vassoura e um pano e ia. A única coisa que eu não fazia lá era lavar banheiro, porque tinha uma turma de porco lá e eu falei “Pode me mandar embora que o banheiro eu não vou lavar não.” Porque era realmente uma turma de porco. Mas aí eu fui conversar com o meu patrão, ele tinha apelido de Tampinha, eu nem sei o nome dele mais, um baixinho; fui conversar com ele, falar com ele, falei: “Olha, tem três meses que eu trabalho aqui e não recebi nada. Eu não vou ficar.” Estava no mês de dezembro, e muito serviço, “Aí não dá para eu ficar.” E a resposta dele foi a seguinte, falou: “Olha, tem três meses, vai fazer, mas ao invés de eu te pagar, você que deveria me pagar por estar tolerando você.” “Uai, não. Tudo bem. Já que é assim, eu vou dar um jeito, eu vou sair.” Mas essa é uma coisa que... Eu não sou uma pessoa maldosa, mas naquele dia aquilo me ferveu, eu falei “Meu Deus, o que eu vou fazer? Eu não vou voltar aqui mesmo.” A tipografia tem as caixinhas com as letras onde você vai pegando e formando, aí eu resolvi pegar um pouquinho de letra de cada um e por naquela  ali e misturei tudo, uma daquele tabuleiro ali, sabe? Saí e falei “Eu agora vou embora.” Ele falou: “Não, você vai esperar até à tarde." Eu falei: “Não, não vou esperar até à tarde.” E ele não sabia que eu tinha feito aquilo ali. Saí e fui embora, e cheguei pro meu irmão mais velho e falei com ele, falei “Olha, eu fiz isso aí.” E falei. Mas no mês de dezembro eu tinha muita coisa, muito trabalho, e o meu irmão falou comigo, falou: “Olha, você caçou uma confusão.” Falei: “Mas ele não me pagou, tem três meses, ele não me pagou.” Ele falou: “Ele vai falar com o papai.” “Ah, deixa falar.” Bom, passou. Esse meu irmão trabalhava numa loja que é de uns parentes nossos lá, a Loja Tuniquinho. Ele falou: “Olha, eu vou conversar lá. Está precisando de uma pessoa, você vai pra lá. Está precisando de um entregador lá e você vai pra lá.” “Tudo bem.” Eu era moleque. Eu fui lá conversar com o Geraldo – que é da Loja Tuniquinho –, fui lá, ele falou: “Não...” Me chamava de Durvalzinho, “Não, Durvalzinho, aqui eu quero você sim. Você vai trabalhar. Olha, você vai começar, vai ter que fazer limpeza da loja.” Falei “Dez.” Comecei a mexer, a fazer limpeza dessa loja. Foi no segundo dia que eu estava trabalhando lá, eu estava todo feliz, fazendo entrega numa bicicleta Goricke, estava descendo, eis que eu encontro com o Tampinha. Ele falou pra mim: “Olha, eu quero acertar, eu vou te pegar e vou te dar um cascudo. O que você fez lá, eu vou te bater.” Eu era moleque, eu não esperei não, saí de bicicleta e vazei. Mas cheguei perto dos meus dois irmãos mais velhos, contei para eles... E a gente foi sempre um pelos outros, na minha casa sempre foi e é. Ele falou: “Olha, quer saber de um caso? Nós vamos resolver esse problema hoje. Na hora que eu sair do serviço, nós vamos resolver isso.” Falei: “Vamos embora.” Animadão, moleque na frente de um maior tem uma animação doida. Então nós fomos lá resolver o problema com o Tampinha. E meu irmão já era fase adulta, os dois. Chegaram lá, chamaram ele, falaram: “Olha, estou aqui para resolver o problema, eu estou com o Durval. Você falou que vai dar um cascudo nele, a gente veio aqui pra você dar o cascudo nele. Se você não der, nós vamos te dar um agora.” “Não.” Ele falou “Olha, você vem aqui pra você dar um cascudo nele. Ele trabalhou pra você três meses, você não pagou ele, não fez nada. Ele acabou com as roupas dele aqui.” “Não, porque eu vou conversar com o seu pai.” Aí o meu irmão ameaçou ele, falou: “Olha, se você falar alguma coisa com o papai, aí não tem perdão, aí você vai levar o cascudo mesmo. Como é que vai ficar?” “Não, fica por isso mesmo.” Ficou por isso mesmo, eu fui trabalhar e acabou. Aí não houve... Ninguém encostou nada. Depois ele passou a ser até um amigo meu, porque a gente, depois de adulto, se encontrava. Falei: “E aí, Tampinha? Vai me levar pra trabalhar lá?” “Pelo amor de Deus, rapaz, aquela época é época que nós podíamos ter ganhado mais dinheiro, você foi lá e misturou... Nós tivemos que derramar a prancheta e arrumar cada...” Então foi isso em Patrocínio. Eu trabalhei, depois fui trabalhar nesse loja, nessa loja eu fui trabalhar e fui fazer... Como eu te contei, fui ser entregador e limpeza, varrer. Eu tinha um irmão que trabalhava e era balconista.

 

P/1 – E os estudos, continuaram normalmente?

 

R – Continuaram os meus estudos, normal. Só que naquela loja eu trabalhei mais ou menos uns 20 dias fazendo isso, e eu tinha um tino... Sempre gostei da área comercial. A minha vida foi isso aí, atender as pessoas e vender. E essa loja tinha uma característica interessante, que ela vendia as coisas melhor, vamos chamar assim, em tecidos, roupa. Só pra te dar uma ideia, na época era Lumiere, Valisere e _____________, existe até hoje. Isso era o fino. E de homem vendia chapéu Ramenzoni, Prada e (Naicro?), camisa (Movolto Mundo?), da época. Mas lá também vendia artigo pra sapateiro, então napa, couro e de tudo, de preguinho, e tudo pra sapateiro. Vendíamos também lá munições e armas, então você vendia a munição, a arma, mas vendia todo um material para fazer caixão e vendia também a roupa de defunto. Aí, com uns 20 dias lá eu já comecei a atender, vendendo uns preguinhos lá; vendia até ferradura pra cavalo. Completa, muito movimento. Comecei a mexer, comecei a trabalhar, a mostrar um paninho, qualquer coisa, e eles começaram e me empurrar. Um dia o Geraldo mais o João chegaram perto de mim e falaram: “Olha, a gente está vendo que você é novo e está desempenhando um papel melhor do que os outros. A gente quer que você comece a deslanchar. Pode ir.” Falei: “E a limpeza?” “Não, você chega mais cedo um pouquinho, varre aí, a limpeza.” “E a entrega?” “Não, a hora que tiver a entrega, você faz,mas você vai fazendo.” Então me deu essa liberdade. E eu comecei a trabalhar e tomei gosto, adorei trabalhar ali, e foram verdadeiros pais que a gente teve. Mas o mais interessante é que naquele trabalho eu vendia muito e ele pagava comissão pro pessoal, aí falava pra mim: “Você quer ganhar comissão?”, eu falei: “Eu não quero não.” “Durvalzinho, mas você está levando prejuízo. Eu estou te pagando um salário mínimo e você não está ganhando comissão. Ganha a comissão que você vai...” Eu falei “Não, não quero não.” “Uai, não pode. Então, vamos fazer um negócio. A partir de hoje, todo o processo, todo o material escolar, toda a mensalidade de escola, toda a roupa sua e sapato, você não paga mais, nós vamos ter dar.” Isso a mulher do Geraldo, que faleceu mês passado. Essa pessoa basicamente foi um pai branco que eu tive também. Mas o interessante dessa loja é que eu passei a ter uma psicologia de venda grande. Eu chegava e vendia. As pessoas chegavam para comprar arma e tinha um pessoal de Carmo do Paranaíba... Porque o pessoal ali era, na época, muito mal, violento assim, mal. O pessoal matava brincando. Chegava lá para comprar a arma, vendia para Patos, Carmo do Paranaíba, Araxá. Então você vendia a arma e às vezes eu chegava e falava assim “Icha, vendi a arma e a munição.” Falei “Ê coisa boa, amanhã eu vou vender um caixão e a roupa do defunto.” E eu não podia falar, ficou um negócio assim... Eu falava e o negócio dava certo. Meu irmão falava: “Olha, fecha a boca, tá? Você não me fala mais não.” Porque toda vez que eu falava, acontecia isso. É mesmo. Aí ficou aquele negócio “O Durval vende a arma, a munição, a roupa e o caixão”, aquela brincadeira. Mas foi uma escola de vida, foi um lugar que eu tenho muita saudade. Ali me fez realmente uma pessoa adulta, me fez um profissional. Ali eu caminhei e foram os meus primeiros passos como homem verdadeiro, saber o que é a obrigação, o que é dever, sabe? Então foi fantástico.

 

P/1 – E o senhor fica em Patrocínio até quando?

 

R – Eu fiquei em Patrocínio até 1971.

 

P/1 – E qual foi o motivo de ter deixado a cidade?

 

R – Faculdade. Eu tinha vontade, eu tinha um anseio de fazer uma faculdade e tinha vontade de sair, ver fora. Eu já tinha dois irmãos que estavam fora, em Uberlândia, meus dois irmãos mais velhos, e eu fiquei numa expectativa. A minha vontade era ter ido pra Florianópolis acompanhando um amigo meu. E a mamãe, de certa forma, por gostar demais da gente, ter a posse e ser uma leoa nossa, quando falava, ela ficava toda chateada. E eu comecei a me preparar pra ir fazer faculdade lá. Mas a mamãe começou a usar de certa estratégia, colocando: “Você pode ir, meu filho, mas você sabe, você pode voltar e não encontrar seu pai e sua mãe.” E aquilo... A gente que foi criado com certo aconchego, carinho, aquilo doía muito. Então é onde eu resolvi ir pra Uberlândia, mas saí de Patrocínio pra melhoria. Saí com certa dificuldade, porque o que eu levei deu para viver um mês, eu tinha que arrumar um trabalho para me manter numa república, me manter numa faculdade. Mas graças a Deus, Deus foi muito bom. Foi não, é muito bom comigo e nunca me deixou faltar nada. E eu consegui, fui trabalhar no Real Expresso. Trabalhei, cheguei em Uberlândia, dei sorte, fui trabalhar no Real Expresso numa condição de necessidade mesmo, porque eu prestei vestibular, passei...

 

P/1 – Pra o que o senhor prestou?

 

R – Economia. E naquele... Tinha que arranjar um emprego, e eu fui fazer um teste no Real Expresso – era Real Expresso, porque o Nacional era Real –. Fui fazer o teste lá, fiz o teste, tudo bem, passei em tudo. Só que eles me perguntaram se eu tinha datilografia, falei “Icha, tenho.” Não tinha. Aí, naquela brincadeira “Vai fazer um teste.” E só esse dedo aqui que trabalhava, “tchum, tchum”. Aí existia uma pessoa lá, o Doutor Sebastião Muriarte, uma pessoa extremamente humana, e ele me chamou. Uma pessoa do departamento pessoal foi lá e falou: “Olha, o teste dele foi muito bom, mas datilografia ele não tem.” “Mas ele não falou que tinha?” Aí o Doutor Sebastião Muriarte me chamou pra conversar e perguntar para mim por que daquilo, por quê eu tinha feito. Eu antes pedi desculpa pra ele, falei: “Doutor, eu agi desonesto de falar. Eu já fiz datilografia em Patrocínio, mas não tenho rapidez, e o meu problema, de eu ter falado isso, é a necessidade de ter um emprego. Eu estou vindo nessa situação assim, assim, assim, assim, assim.” Ele olhou para mim, falou: “E se você for fazer uma escola de datilografia?” Eu falei “Olha, Doutor, eu gostaria de muito fazer, mas eu não tenho condição.” “Por que você não tem condição?” “Não, eu não tenho estrutura para pagar. Eu estou no limite para pagar minha república, e já fiz a minha matrícula e eu não tenho condições.” Ele parou, pensou, pensou, falou assim: “Olha, eu estou gostando de ver a sua honestidade, você está sendo sincero comigo. Mas eu vou pagar pra você o seu curso de datilografia, você vai fazer.” Aí eu falei com ele: “Mas então faz o seguinte, o senhor paga pra mim só uma semana.” Ele falou “E a outra semana, você arranja dinheiro?” “Não, com uma semana eu garanto ao senhor que eu venho para cá batendo máquina igual qualquer outra pessoa daqui.” Ele falou “Não, uma semana é pouco.” “Faz o seguinte, o senhor paga só uma semana então, a empresa..” “Então eu vou pagar uma semana e vamos ver o quê é que dá.” Ele pagou só uma semana e realmente eu voltei com uma semana pra área de departamento pessoal, batendo máquina igual o pessoal que batia lá. Aquela vontade, a vergonha que eu passei foi tão grande de ter mentido que eu sabia datilografia, que eu falei “Ô, meu Deus, agora eu vou dar de tudo”.

 

P/1 – Tinha que aprender (riso).

 

R – É, aprender. E isso começou a me mostrar o lado que você tem que ser sincero com você e não adianta mentir para as pessoas porque a mentira vem à tona. E aquele dia para mim foi um dia muito especial na minha vida, porque eu fiquei... Olha, eu fiquei com vergonha. Mas, graças a Deus, acho que dei muita alegria pra eles. Só saí de lá porque eu fui pra nossa CTBC.

 

P/1 – E como é que o senhor se aproximou da CTBC?

 

R – A CTBC eu tinha uma pessoa muito amiga, nós tínhamos pessoas de Patrocínio lá, como tem até hoje. Mas naquela época nós tínhamos o Valmiro dos Reis, foi uma pessoa de Patrocínio e muito próxima da minha família. Era uma pessoa, vamos chamar, abaixo da diretoria, era ele. Nós tínhamos o Geraldo Caetano, como temos até hoje, na Algar, pessoas que a gente tinha conhecimento. E eu morava, eu conheci uma pessoa chamada Joaquim Afonso de Faria, que era muito amigo do Valmiro dos Reis, esse de Patrocínio, e na faculdade, o Valmiro foi ser meu professor. Cheguei e falei para ele da necessidade, o que eu ganhava no Real Expresso estava muito pouco, aquém de eu pagar minha faculdade e minha república. Então o que eu estava fazendo? Eu ia para a faculdade, depois da faculdade eu ia pro Real Expresso fazer hora extra e às vezes trabalhava até duas ou três horas da manhã para ganhar um dinheiro a mais pra completar. E eu, contando para ele, ele falou comigo que ia verificar na estrutura da empresa como é que estava, que normalmente estava precisando e eu faria um teste na hora oportuna.  Isso, passou uma semana, ele me chamou para fazer um teste lá, e eu fiz esse teste e consegui entrar. Entrei e inicialmente fui trabalhar na área de divisão e economia estatística, fazer projeto em viabilidades técnica. E foi fantástico, eu fui trabalhar com o Joaquim, e puxa vida, aquilo pra mim foi a glória da minha vida, falar assim “Eu entrei na CTBC.” E entrei bonito, porque eu entrei ganhando duas vezes o que eu ganhava no Real Expresso. E era o que eles pagavam, não porque era eu, era o que pagavam. Aquilo pra mim foi a glória na minha vida, e tem sido glória.

 

P/1 – Aí conseguiu completar o curso e o que mais?

 

R – Deixa eu te falar uma coisa, o curso lá eu não completei. Por incrível que pareça, eu não completei. Quando eu cheguei no terceiro ano, a gente já estava pensando, eu pensando em me transferir para cá. Eu fui um pouco desdeixado na faculdade, isso me pesou muito, na época. Aí eu vim pra fazer, terminar a fazer aqui em Uberaba, mas eu não terminei lá e era na UFU [Universidade Federal de Uberlândia]. Aí vim pra cá, falei: “Deixa ver o que dá pra cá.” E nós viemos pra cá. Hoje, inclusive, eu estou cursando, estou fazendo até Administração. Depois de certa idade, falei: “Não, eu vou fazer Administração”, pra não ficar parado. Eu vejo os meus filhos estudando – já tenho dois na faculdade –, então eu falei: “Eu vou fazer também, não tem nada o que fazer.” E estou fazendo.

 

P/1 – E por que razão a mudança para Uberaba?

 

R – Uberaba foi o seguinte. Na época, Uberaba não tinha área comercial, Franca não tinha área comercial e Ituiutaba não tinha área comercial. E eu trabalhava numa área comercial, já não estava mais na divisão de economia e estatística, eu trabalhava numa área comercial com o Domingos Alves Filho. E eu sempre trabalhei próximo ao Seu Athayde Barata, aquela coisa, então eu me desenvolvia muito bem na área comercial, e criei, inclusive... Eu tive a audácia de mudar uma fachada, nessa época lá, que era um vidro muito fosco que nós trabalhávamos e com aqueles buraquinhos. Um dia eu até cheguei a conversar com o Doutor Luiz, nessa época da mudança, de tirar aquele vidro de lá e deixar mais claro, fazer alguma coisa, uma mudança lá. E o Doutor Luiz, na época, ele brincou comigo – ou falou sério, não sei se foi sério ou foi uma brincadeira –, mas ele foi uma pessoa que eu sempre respeitei, sempre gostei, e ele parece que sempre gostou de mim. “Você faz a mudança, se der certo, você fica, se não der, eu te mando embora, se você tirar esse vidro.” E quando nós tiramos aquele vidro lá para aquela área comercial, aquilo ali foi a glória para as pessoas que até então não víamos o cliente, nem o cliente nos via. Aquilo deu uma ênfase na nossa área comercial. O Domingos Álvares Filho já fazia alguns contatos, venda, e a gente acompanhava ele, atendia o cliente e tinha realmente uma áreazinha comercial de venda de telefone. Precisava criar em Uberaba, Franca e Ituiutaba, e na época eu me propus a vir. Como eu estava noivo, ficou aquela... Eu ia pra Franca, ficava distante pra mim estar todo final de semana em Uberlândia. Então eu vou ficar em Uberaba, eu pedi Uberaba. Mas na época aconteceu um fato interessante, o senhor Alexandrino foi sempre contra eu vir para Uberaba, eu sair de Uberlândia. Eu trabalhava muito próximo dele, foi uma pessoa que eu tive um carinho, um respeito, e continuo tendo um respeito muito grande por ele, porque foi uma pessoa que me ensinou muita coisa. E uma pessoa que eu tive um contato muito próximo dele, todo dia conversava com ele, e, na época, ele falava: “Não, o senhor não vai pra Uberaba não. Não quero que o senhor vá para Uberaba.” Mas o Doutor Luiz queria que eu viesse para Uberaba. Eu vim para cá para montar esse comercial e graças a Deus eu fui muito feliz na minha vinda para cá, na época, de estar reestruturando, fazendo alguma coisa. Porque aqui não tinha nada, aqui não vendia, o pessoal atendia de qualquer maneira. Aí a gente começou a fazer uma série de mudanças.

 

P/1 – Senhor Durval, vamos falar um pouco do Seu Alexandrino. Me fale um pouco dele, da personalidade dele, do jeito dele trabalhar, alguns episódios que tenham marcado a lembrança do senhor nesse relacionamento com ele?

 

R – Olha, o Seu Alexandrino, eu trabalhei próximo dele. É uma pessoa que sempre as pessoas, de certa forma, tinham um receio. Ele tinha um "hum, hum", a hora que ele chegava, todo mundo corria. E por incrível que pareça, não que eu quis enfrentá-lo, mas eu me dei muito bem com ele. Algumas vezes que ele chegava lá e o pessoal ficava assim, meio baixava a cabeça, meio com receio, ele passava, ia até lá na frente e voltava. Falava comigo "Bom dia, Seu Durval. O senhor dormiu comigo?" Porque eu não dava bom dia pra ele. E é uma pessoa que, por incrível que pareça, nunca me chamou a atenção. Ele atendia de vez em quando aquele pessoal muito... Pessoal daquele trigésimo batalhão, outras pessoas ali. E as pessoas iam normalmente ali para pedir alguma coisa pra ele. Por várias vezes ele me chamava na sala dele e me colocava numa situação interessante. Ele dizia o seguinte "Pois é, Seu Durval, o pessoal está vindo aqui pedir uma linha..." ou "Está pedindo isso aqui e eu falei que o senhor é que está mexendo com isso e responde por isso." Na verdade não era eu não, ele me punha nessa situação e eu tinha que ter a sabedoria de dizer "Olha, Seu Alexandrino, infelizmente nós não podemos atender agora, nós não temos isso, não temos essa disponibilidade, eu não tenho aquilo e tal." Mas eu saía dali, ele falava com o outro: "Pois é, então tá. Muito obrigado ao senhor, então." Eu saía dali, falava assim: "Hoje eu vou embora, porque eu devo ter errado, eu não devia ter falado isso." Passava um pouco, ele me chamava, falava: "Olha, muito bem. O senhor falou muito bem. É isso mesmo que tinha que falar." E teve umas duas vezes que chegava a pessoa e eu chegava perto dele, cheguei perto dele e falei: "Olha, Seu Alexandrino, eu acho que nós devemos atender e tem como atender." Aí a minha situação... Eu saía dali numa situação pior. "Meu Deus, será que eu acertei?" E ele falava: "Não, nós vamos atender." Ele me chamava, falava "Olha, o senhor agiu corretamente. Nós tínhamos que fazer isso." Então eu nunca errei com ele, e isso me deu uma proximidade muito grande. Ele é uma pessoa muito carismática. As pessoas tinham certo receio, porque ele era muito determinado, muito honesto, ele via o que os seus olhos não viam. Isso é muito importante. Às vezes a gente é um pouco desleixado, e não conseguia ver porque não queria, talvez. E ele via, ele via e te mostrava. Aí é que dava o receio das coisas. Houve uma vez que ele saiu em viagem, a primeira viagem na Europa, ele foi com a família. Teve Doutor Luiz com a família e foi... E quem ficou comandando a empresa foi o Senhor Wilson de Paula. O Senhor Wilson ficou na diretoria, mas se propôs a fazer uma mudança, uma reforma na sala do Seu Alexandrino. E fizemos uma reforma muito grande, porque ele sempre trabalhou num ambiente muito simples. Fez essa reforma. Quando ele voltou da Europa – ele esteve em Portugal –, ele se assustou com aquela maravilha de coisa. Hoje não, mas naquela época era uma coisa muito bonita a sala dele. E ele ficou muito entusiasmado e muito feliz. Com o passar dos dias, ele brincava "Ah, agora eu não posso vir com essas camisas mais puídas, eu tenho que vir com... Arrumar." A gente brincava muito. Ele, um dia, sentado, me chamou numa salinha que ele se sentava e me disse o seguinte: "Eu queria dar um presente para o senhor." Isso ficou gravado na minha memória, uma coisa muito interessante. Ele sentado, assim, pegou a mesa e falou "Sabe quem me deu essa mesa, Seu Durval? Foi meu filho, Senhor Walter, foi o Walter que me deu essa mesa." Mostrou a estante, a cadeira que ele estava sentado, falou: "Olha, eu tenho muito orgulho disso aqui. Isso é uma coisa que eu tenho que guardar. Não é qualquer um que vai sentar aqui." Pôs a mão por baixo, tirou um pedaço de pau parecendo uma raiz, falou "Sabe isso aqui? Isso aqui sempre o senhor deve carregar, porque isso a gente não tem que ouvir o que não deve, a gente tem que agir. E sabe por que eu estou falando isso pro senhor? É porque eu gostaria que o senhor sentasse nessa mesa. Eu estou dando de presente pro senhor." E eu assim, moleque, uma pessoa sem qualquer – vamos chamar assim – qualificação profissional, uma pessoa que... Tantas pessoas ali; engenheiros, pessoas de nome, economistas ali, e ele encontrou no Durval, simples, humilde, pra falar isso. E aquilo me deixou... Eu guardei aquilo pra sempre como uma coisa, uma gratidão, sabe. Então foi muito bonito. Outras passagens que teve com o Seu Alexandrino é que ele, quando chegava alguém no aeroporto, ele tinha a Veraneio, e às vezes precisava ir buscar alguém. Ele, um dia, me chamou e falou: "olha, Senhor Durval, o senhor precisa ir buscar..." Um pessoal acho que foi da Ericsson, na época. "O senhor vai lá buscar." "Eu não dirijo, Seu Alexandrino." "Ah, mas como que o senhor não dirige?" Eu falei: "Eu não dirijo, eu não tenho carro." "Tá bom." Foi lá, arranjou outra pessoa... Aliás, até uma sobrinha do Doutor Luiz, Rosângela, pegou a chave e foi lá buscar o pessoal. E eu não fui não. Passado certo tempo, ele me chama de novo, fala: "O senhor vai lá buscar no aeroporto, buscar fulano." "Mas eu falei pro senhor que eu não dirijo." "Não, que o senhor falou que não dirige eu sei, mas eu pensei que o senhor já tinha aprendido a dirigir. Então o senhor procura dirigir." Falei "Dirigir pra quê, Seu Alexandrino? Eu não tenho carro." E eu fiquei naquela, não aprendi a dirigir não, e veio uma terceira vez. Nessa terceira vez o Seu Alexandrino falou tanta coisa pra mim. Falou "O senhor não tem carro não? O senhor vai lá nos Irmãos Garcia, fala que eu que pedi, manda me telefonar. O senhor vai lá pro senhor escolher um carro pro senhor comprar nas condições que o senhor puder. O senhor paga do jeito que o senhor quiser, mas o senhor vai dirigir." "Tá bom." Eu pensei muito, falei: "Eu não sei se eu vou ou se eu não vou." Aí resolvi, falei "Eu vou lá ver o quê que são essas condições pra mim. Deve ser uma condição que eu vou pagar uma mixaria e eu tenho condições de comprar esse carro." E é um sonho, eu, como um rapaz... Cheguei lá, as condições que eram para mim eram as mesmas pra você, pra qualquer outro (riso). Eu voltei de cabeça baixa, falei "Ah, tá bom. Eu não vou aprender a dirigir não. Eu não sei se eu falo com o Seu Alexandrino ou não falo." Aí eu fiquei quieto. Um belo dia ele perguntou "E aí, o senhor foi lá?" "Uai, eu fui, Seu Alexandrino, mas eu não tenho condição de pagar um carro. Do jeito que eles estão me vendendo é a condição que ele faz pra qualquer um." "Mas o senhor aprende a dirigir, viu. Eu preciso do senhor, o senhor aprende a dirigir." Mas sempre foi uma pessoa muito boa comigo. Eu tive a oportunidade várias vezes de ter a honra de sentar, ser convidado dele, de sentar na cantina pra tomar café com ele. Isso era uma honra muito grande, porque poucas pessoas, poucos funcionários eu acho que se deliciaram disso. E eu, simples, um molecão, e ele acreditou sempre em mim. E eu tive ele, esperei ele como sempre um professor muito grande, uma luz. E às vezes até hoje eu paro, penso e peço muito pra que ele ilumine essa empresa, ilumine a sua família, ilumine os funcionários, porque quer queira quer não, ele continua sendo uma grande luz pra mim, e eu acho que deve ser uma luz muito grande pra todo mundo que o conheceu. Sem qualquer fantasia, é uma coisa real minha. Eu sou uma pessoa muito real, muito franca na minha vida. Então eu tive uma oportunidade, bons momentos com ele. E sempre saudável, nunca tive dissabores, nunca tive nada com ele.

 

P/1 – É que ele deixou uma marca muito forte, muito fundamental em toda a história dessa companhia.

 

R – É, como eu te falei, ele tinha verdadeiros olhos, ele via o que você não via, sentia o que você não sentia. E ele é uma pessoa que eu tenho a convicta certeza de que foi um potencial de fé enorme, porque dificilmente uma pessoa acredita se não tem fé. Eu acho que ele foi um monstro em termos de fé, porque ele acreditava no que fazia e acreditava no futuro. Às vezes a gente conversa com alguns colegas e alguns brincam com a gente, porque hoje tem uma moçada, tudo jovem, tudo muito bonito, e que coisa boa, a empresa precisa disso. Mas alguns falam "Puxa vida, você está velho, você está isso." "Não, eu não estou velho. E não quero ficar velho." "Não", e não sei o quê que tem. Mas a gente aprendeu e eu tiro muita lição de vida, por exemplo, com o Seu Alexandrino, com o próprio Doutor Luiz, que está aí pra nós, de que essas pessoas se renovaram, elas acreditaram no futuro mais do que o jovem, mais do que aquele pessoal jovem que estava na sua empresa. Eles acreditaram, vislumbraram um futuro pra essa empresa que a gente está até hoje. Isso me dá o direito também de vislumbrar um futuro, não só pra mim, mas pra minha empresa, pra minha família, pra sociedade, pro meu Brasil. Isso é uma cobrança, é uma obrigação da gente ter, e isso muito espelhado no Seu Alexandrino Garcia e no Seu Durval Barbosa, que foi meu pai que também me deu essa oportunidade de ver isso aí. Então eu tenho uma luz muito grande pra esse rumo, sabe, não quero parar.

 

P/1 – Senhor Durval, eu vou ter que abreviar um pouco por conta do seu compromisso, mas o quê que o senhor diria para uma pessoa, para um associado novo que fosse começar amanhã a trabalhar na CTBC? O que o senhor teria a dizer pra ele?

 

R – Olha, eu diria pra qualquer pessoa, que fosse pra um filho meu ou que não fosse, pras pessoas, começarem numa CTBC. Essa CTBC de hoje é uma CTBC formada, consagrada a nível regional, nacionalmente. Não só por isso, mas a pessoa que está entrando hoje numa CTBC, ela precisa ter... Ou na CTBC ou em outro lugar, mas especificamente na minha empresa, que ele tenha determinação, que tenha disciplina, que tenha moral. Porque essa empresa empregou várias pessoas com moral. Os seus dirigentes são pessoas que dão esse exemplo de firmeza, de moral, de determinação, de profissionalismo. É hoje uma empresa de se fazer carreira? É. A pessoa que entra em uma CTBC e que sai tem as portas abertas não só na nossa região, mas nacionalmente. É uma empresa acreditada. Se ela é uma empresa acreditada, ela precisa do jovem, do velho, qualquer um que entrar nela que sejam pessoas que use da sua credibilidade também, que sejam pessoas que amem essa empresa. Porque hoje acontece muito nas empresas, não existe mais aquela coisa da pessoa ficar tanto tempo como o Durval está ainda na empresa, talvez não. Acredito que não, as pessoas hoje são mais volúveis no sentido... Ou são mais... Não existe aquela questão, por exemplo, eu me empreguei hoje, eu vou ser um funcionário muito bom e vou ficar até o final dos meus dias. Não, hoje as pessoas empregam hoje, é aquela dança do novo, saio daqui, vou pra ali. Mas, pelo menos aquela pessoa que tiver na nossa empresa, ela tem que ter em mente que essa empresa te dá todas as suas condições, todas [as condições] básicas. Ela se preocupa com a sua saúde, com o seu estado, educação, se preocupa com a sua vida em todos os sentidos. É lógico que não é uma mãe, mas é uma empresa que ocupa bem o lugar de uma mãe. Agora, não é uma empresa paternalista, isso acabou, isso foi coisa do passado, é a competência de cada um. Então, quando você me pergunta... Esse jovem que está ingressando na empresa, que ele tenha determinação, que ele veja isso como uma empresa séria, que aproveite o seu tempo, que faça do momento que está na empresa o melhor que ele pode fazer a nível profissional. Porque hoje, trabalhar na nossa empresa, gente, eu diria que é quase um lazer. Quem trabalhou no passado e trabalha hoje, hoje você trabalha numa empresa que o seu trabalho é um lazer, é uma coisa gostosa de se fazer. A coisa lá para trás foi um pouquinho diferente, mas hoje... Então não tem por que as pessoas hoje, que estão ou que ingressam na empresa, terem qualquer dúvida de que essa é uma grande empresa, uma empresa que o Brasil precisaria ter pelo menos umas cinco CTBCs. Nós talvez teríamos um Brasil muito mais brasileiro e um Brasil muito mais – vamos chamar assim – melhorado em termos profissionais, em termos de tudo. Então, eu tenho um prazer, amo muito isso aqui, gosto.

 

P/1 – Seu Durval, agora... Porque por força das circunstâncias a gente tenha tido que acelerar um pouco o nosso ______________, mas o que significa para o senhor ter dado esse depoimento para nós, o que isso representa para o senhor, como é que o senhor se sentiu?

 

R – Olha, é uma alegria, uma alegria muito grande, porque esse depoimento que eu estou dando aqui, ao vivo – vamos chamar assim –, gravado, aliás, que vai fazer parte de um acervo. Esse é um depoimento que eu dou muito para os meus filhos, dou muito para os meus colegas de trabalho, inclusive puxando-os, pedindo a eles que não sigam o meu exemplo, mas sigam o exemplo do Seu Alexandrino, o exemplo do Doutor Luiz, que está aí. Mas quando você fala o que eu sinto desse depoimento, eu acho maravilhoso. É uma forma de eu poder colocar alguma coisa que passou comigo e que as pessoas desconhecem, e que passou na empresa, que para mim foi sadio, foi salutar, foi muito gostoso, e que eu tenho orgulho. Isso é um orgulho, eu me sinto aqui, nesse momento, orgulhoso de estar aqui falando um pouco da minha vida, um pouco da minha vida lá na CTBC. Falei da minha vida familiar... Isso pra mim foi maravilhoso. E eu tenho muito orgulho, porque eu sempre comento com a minha família – minha esposa, meus três filhos – sobre a empresa em que eu trabalho. E o orgulho é tanto que a gente... Eu sempre comentei com a minha esposa. Os meus filhos, quando veem um carro, falam “Ó o carro da empresa do papai.” Então eu estou falando de uma empresa que eu também sou dono, eu faço parte dela.

 

P/1 – Está certo, Seu Durval, muito obrigado pela sua disponibilidade.

 

R – Eu é que agradeço e espero que depoimentos como esse e melhores venham de muitas pessoas que fazem parte dessa família enorme, essa família maravilhosa que é a CTBC. E essa iniciativa, de quem quer que esteja partindo, a gente parabeniza e acha que isso é que faz cada vez mais humano e profissional uma empresa. Isso é muito importante, eu fico muito grato. Muito obrigado, vocês também.

 

P/1 – Nós é que agradecemos. Muito obrigado, Seu Durval.

 

R – Obrigado.

Ver Tudo PDF do Depoimento Completo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+