Busca avançada



Criar

História

Costume de casa não se leva à praça!

História de: VELTO SILVA
Autor: VELTO SILVA
Publicado em: 23/01/2019

Sinopse

Esta história é verídica e relata bem o comportamento de algumas pessoas sem noção, que viajam para o país alheio mas não conseguem se comportar diante das situações mais adversas.

Tags

História completa

Fui ao Shopping Fórum jantar, estava lotado, tive que ficar igual a uma barata tonta procurando uma mesa, finalmente encontrei uma. Na minha frente uma família de oito pessoas que juntaram quatro mesas, até aí tudo bem não fosse uma mulher altamente sem modos entrar em ação no momento em que todos já estão sentados prestes a jantar. Se tem uma coisa que eu odeio é quando estou comento e alguém diz: "Posso experimentar um pouquinho?" ou então nem pede e já mete o garfo na sua comida, foi o que aconteceu, esta mulher sem modos metia o garfo nos pratos alheios e experimentava a comida de todos e ainda falava muito alto com a boca cheia dizendo: "Hum que delícia!" Como uma arma de fogo, a sua boca disparava pedaços de arroz para todos os lados. Ela virou o centro das atenções, também pudera, no meio de oito pessoas uma se destacava pela negativa, fico impressionado e altamente irritado com esse tipo de comportamento tão baixo, às vezes me pergunto: Será que a própria pessoa não se dar conta que está sendo inconveniente? Será que ela não ver que está desagradando os demais familiares e as pessoas que estão em volta que não a conhece de lado nenhum? Depois jogou o celular nas mãos da amiga para fazer fotos dela, com umas poses que eram de se benzer e entregar a Deus. Uma das poses era levando o garfo a boca gritando: "Sou chique bem... e tô nasoropa" Após esta mulher ter pintado o sete e bordado o oito, pensava eu que já não havia mais nada que ela pudesse fazer para chamar à atenção, eis que me cai um meteoro quando ela come os restos que ficaram nos pratos dos amigos e eles, coitados, mortos de vergonha, não sabiam aonde enfiar a cara. Após isso mais uma surpresa, ao comer a sobremesa, enfia o dedo indicador para lamber os restos do sorvete que ficou grudado nas paredes do copo e pede para a amiga fazer uma foto e diz: "Eu tô pagando." A gota d'água foi na hora de pagar, pois como um senhor que estava na mesa havia pagado tudo em seu cartão ele queria que o valor total fosse divido por oito pessoas, foi ai que começou o maior barraco, porque um dizia que não achava justo ter pagar a garrafa de vinho uma vez que não bebia, a mulher sem modos, que foi a que mais comeu disse que não havia pedido a bebida e nem tomado café e queria pagar o valor que só pertencia a ela. O homem se irritou e disse: "Vamos embora e no hotel vamos ver isto e nunca mais pago nada em meu cartão para vocês e tem mais, cada um que pague as suas contas e quando tiver num local e precisar de um ou dois euros para pagar algo que comprou que é o que vem acontecendo no decorrer desta viagem e depois não devolvem, peço que vá a um caixa de multibanco e tire dinheiro para pagar as suas contas, nunca mais viajo com gentinha do vosso tipo." O senhor ainda irritado se vira para a mulher sem modos e diz: "E tu quando formos em qualquer lugar peço que se sente numa mesa separada dos demais, não estou aqui para passar vergonha contigo." #VS

Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+