Busca avançada



Criar

História

As profissões escolas de Cecília Faipó

História de: Cecilia Faipó
Autor: Cecilia Faipó
Publicado em: 15/05/2015

Sinopse

A minha história se fosse detalhar daria para se tornar uma Bíblia, já passei muitas experiências que com certeza deixariam muitas pessoas de boca aberta, mas vejo que experiências ruins nos dias de hoje temos de monte, então decidi deixar algo sobre meu aprendizado no que diz respeito a encontrar a profissão adequada. Eu passei por muitas profissões e todas elas me ensinaram muito, cada uma com seu valor. Tudo que desempenhem eu vivia e até hoje vivo como algo muito grandioso, porque comprometimento é essencial para se obter mais e mais presentes do maravilhoso universo.

Tags

História completa

Aqui exponho um pouco da minha história e ofereço-a aos ADOLESCENTES, JOVENS e ADULTOS com dúvidas sobre qual caminho tomar para a conquista de uma profissão ou função que os faça sentirem-se VIVOS.    

 Minha formação iniciou-se quando nasci e sempre tive orgulho de ter nascido e vivido, até os cinco anos de idade, numa fazenda chamada LIBERDADE. 

 A palavra LIBERDADE é mágica e expressa tudo o que acredito ser importante para viver de bem com esta maravilhosa vida. 

 Por ter nascido numa família simples, desde muito pequena vi-me obrigada aos serviços domésticos. E claro que, como toda criança, eu não gostava daquilo, mas como não havia alternativa, criei um jeito de que se tornasse prazeroso: imaginava que estava fazendo a coisa mais maravilhosa do mundo e que, com o tempo, eu estaria construindo um caminho que me levaria até ao meu verdadeiro lugar.

  E tudo começou assim:

O que e com quem aprendi sobre SER... 

I - DOMÉSTICA - Foi através desta experiência, com diversas funções, que me tornei uma pessoa responsável sobre aquilo que me é proposto: HIGIENE, ORGANIZAÇÃO e LOGÍSTICA com o próprio corpo, com os alimentos e com os espaços. Isto eu atribuo à minha avó materna e à minha mãe, porque tudo o que elas faziam tinha uma ordem. Claro que a palavra “logística” nem existia no universo delas, mas para cozinhar, organizar e limpar uma casa sempre foi necessário ter um senso organizador e nisto elas eram mestres.

 II - BABÁ - Com esta DIVINA PROFISSÃO, eu aprendi que toda criança deve ser tratada como se fosse nosso próprio filho. Portanto, ATENÇÃO, DEDICAÇÃO e AMOR provieram desta experiência. Quando todas as pessoas do mundo praticarem estas atitudes, haverá muito mais AMOR em cada canto do planeta.

 III - BATEDORA DE AMENDOIM - Foi indo à roça com meu pai, que aprendi sobre RESPEITO. Assim percebi que meu pai e as outras pessoas que faziam aquele trabalho, o realizavam com uma EXCELÊNCIA incomparável.

 IV - CORTADORA DE CANA - Minha motivação era juntar dinheiro para ir à discoteca. Foi uma frustração, pois após ter cortado um bocado de cana e ter enchido minha mão de bolhas, eu descobri que o resultado do meu esforço não dava nem um cruzeiro (moeda da época). Em compensação, com esta experiência criei minha primeira coreografia cortando cana. Meu propósito era, com estes gestos, ameaçar meus amigos na discoteca, porque tínhamos vergonha de que outras pessoas soubessem que íamos para a roça. Então, com isto, descobri que ter VERGONHA é algo que limita a própria EVOLUÇÃO.

 PAUSA: Neste período, aos 15 anos de idade, eu sofri um acidente dentro de um clube, que fez com que eu ficasse imobilizada por algumas semanas. E, por pura INSPIRAÇÃO, fui fazendo alguns exercícios e acabei recuperando-me. Apesar da pouca idade, hoje percebo que aqueles exercícios surgiam da minha força de vontade de voltar a andar. Aprendi que preferiria cortar cana o resto da vida se fosse para voltar a andar.

 V - LIMPADORA DE FRANGOS - Em um frigorífico (de frangos) dei um show logo no primeiro dia de trabalho: desmaiei de nojo de ver como era feita a limpeza. Mesmo assim, a proprietária aceitou-me de volta e isto me ajudou a aprender sobre PERSISTÊNCIA, CORAGEM e TRABALHO EM EQUIPE.

 VI - EMPACOTADORA DE DOCES - No primeiro dia trabalhando em uma fábrica de doces populares (paçoca, pé de moleque, doce de leite, etc.) eu comi tanto amendoim japonês, que fiquei com as gengivas machucadas. E assim aprendi sobre MODERAÇÃO.

 VII - CORTADORA DE FRIOS - Em um supermercado em Lins, tive a oportunidade de refletir que minha avó e minha mãe deveriam ter sido contratadas para ensinar higiene. Nesta oportunidade aprendi sobre a MENTIRA. Vi, com os meus próprios olhos e lembrei do velho ditado citado por minha avó: “POR FORA BELA VIOLA, POR DENTRO PÃO BOLORENTO”. Nem todo lugar que vende comida é limpo.

 VIII - EMPACOTADORA DE PRESENTES - Fui promovida no mesmo supermercado. Talvez porque eu reclamava tanto da sujeira e eles tinham medo que me vissem lavar os queijos estragados que eram vendidos para os clientes. Eu adorei ir para os presentes, porque pude aprender sobre CRIATIVIDADE. Eu embrulhava os presentes como se eu mesma fosse recebê-los.

 IX - LAVADORA DE PRATOS - Aos domingos fazia esta função em uma lanchonete em troca de sanduíche, porque quem era a contratada era minha irmã. Mas, eu amava esperar por aquele momento grandioso de comer o meu Cheese-Salada. E, com isto, aprendi sobre SOBREVIVÊNCIA. Existe sempre uma saída quando você se esforça e acredita.

 X - REPRESENTANTE e DISTRIBUIDORA - Em uma loja de material para construção eu visitava os clientes de Lins e região e oferecia o primeiro cartão de fidelização, que era entregue pessoalmente. O cliente me recebia e eu lhe explicava como funcionava. Era o máximo! Cheguei até a entregar para o prefeito de Cafelândia. E assim aprendi sobre CONHECIMENTO, DEDICAÇÃO e ORGULHO DO QUE SE FAZ. Ai ...eu me achava o máximo!!!

 XI - RECEPCIONISTA, FAXINEIRA, LAVADORA DE CARRO E PREPARADORA DE BANHEIRA - Isso mesmo! Exercia todas estas funções em um consultório pediátrico em minha cidade. O pior não era desempenhá-las e sim ter o máximo de cuidado para não me sujar, pois eu tinha que trabalhar de branco. Mas, sendo preparadora de banheira, descobri que o banho frio é maravilhoso. O médico pedia que lhe enchesse a banheira às 14h30 e, somente no final do expediente, tomava seu banho na clínica. Vivia se gabando da beleza de sua pele impecável apesar de ter mais de 50 anos. E, com tudo isto, eu descobri que ser RESPONSÁVEL por tudo o que se faz é maravilhoso. Ele não deixava que as mães saíssem do consultório sem terem entendido tudo o que receitava. Na saída fazia com que eu perguntasse sobre a medicação novamente e elas tinham que me responder sem olhar para a receita. E, assim, COMPROMETIMENTO entrou em minhas veias.

 XII - CARREGADORA DE SACOLAS - Da Sra. Miriam Biri. Ela era representante de diversas malharias em São Paulo e foi quem me ensinou que envelhecer trabalhando vale a pena e, além disso, foi a primeira a me ensinar sobre CONFIANÇA e ELEGÂNCIA.

 XIII - ASSISTENTE DE BALCONISTA - Somente por 3 dias. No quarto dia, passei a VENDEDORA numa Boutique indicada pela Sra. Miriam Biri. Nesta empreitada, aprendi que vender está muito além do que apenas oferecer um produto. E que AUTOESTIMA, RESPEITO e PACIÊNCIA são essenciais para uma venda acontecer.

 XIV - BALCONISTA DE LOCADORA DE VÍDEOS - No Shopping Morumbi, na rede Audio Estúdio de Som. Aprendi que, mesmo que não se tenha muito dinheiro, você pode sentir-se a pessoa MAIS RICA DO MUNDO.

XV - COORDENADORA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA - Fui promovida na mesma empresa de vídeos e me tornei responsável por 25 técnicos nesta função. Distribuía as visitas de  instalações e consertos. Esta responsabilidade me fortaleceu com a seguinte frase:

”A VONTADE DE APRENDER ABRE INÚMERAS PORTAS”. E, assim, surgiu a primeira oportunidade com a ginástica. E daí para frente sempre um trabalho levou a outro...

Ah! Talvez você queira saber quanto tempo fiquei em cada um destes trabalhos. O tempo mais curto foi de um mês, como DOMÉSTICA na casa de uma senhora, que era muito suja e queria que eu comesse uma comida horrível; de babá, quase 3 anos; no consultório, na assistência técnica e na boutique, 1 ano e pouco em cada; os demais variavam entre 3 e 7 meses. 

 VIVER BEM E MELHOR é a principal INSPIRAÇÃO da minha VIDA!!!

 

 

Cecília Faipó

Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+