Busca avançada



Criar

História

As Cobras Invadiam a Casa

História de: Ianarema Oliveira
Autor: Ianarema Oliveira
Publicado em: 05/07/2021

Sinopse

Esse capítulo da minha história, fala sobre como era conviver com alguns bichos que faziam parte do nosso cotidiano e como meus pais nos defendiam desse perigo

Tags

História completa

A casa da Laranjeira velha era tão velha, que podia assustar os que não a conheciam. Era uma casa pelada, pelada de móveis e utensílios domésticos. Na sala, uma estante improvisada, composta por prateleiras de tábuas velhas e sustentadas por grandes blocos de barro. Em cima, alguns vasos e plantas para não passar a impressão de feia e vazia. Nos quartos, camas com colchões de palha sobre o estrado de mola e armários simples, onde guardavam-se cobertores, travesseiros, roupas e lençóis de cama, feitos com tecido de algodão. O banheiro, era um quartinho com uma cortina estampada fazendo o papel de porta, os banhos eram de bacia e as necessidades fisiológicas eram todas depositadas no penico, que à noite, moravam embaixo das camas. Na cozinha, um fogão de lenha que nunca adormecia, de tanto fumaçar noite e dia, pintava as paredes e o telhado sem precisar das mãos de um pintor, no lugar deste, se valia da lenha queimando em brasa dentro de si. Havia também, uma mesa, a madeira extremamente velha e macia! Possuía muitos sulcos e era também muito robusta, acompanhava-lhe dois ou três tamboretes que de tanto lhes sentarem, afrouxaram-se das pernas e toda vez que me acomodava, beliscava-me as coxas. Um pendurador de panelas erguia-se sobre a parede e nele minha mãe pendurava as panelas tão ariadas que mais pareciam espelhos! Também um pote enorme, encostado num canto com água coada e fervida e coberto com um pano de prato branquinho feito algodão para matar a nossa sede. A porta da cozinha raramente era aberta, pois o capim que crescia nos fundos do quintal era imenso e alcançava mais de um metro. Alguns bois pastavam sobre o mesmo, ajudando assim, a fazer o trabalho que o meu pai não fazia. O maior medo de todos era quando as cobras resolviam passear no telhado da cozinha e mansamente vinham descendo parede abaixo, já bem à tardezinha. A vigília era constante, sempre algum adulto ficava a expiar e algumas tochas feitas de panos velhos, embebidas em querosene, ficavam à postos, esperando pelo fogo que as acenderia com a missão de afugentar as rastejantes. À tarde, depois do almoço, apreciávamos o cantos dos pássaros, uma sinfonia belíssima, encantadora e gratuita. Um parecia dizer: Quebrei três potes, quebrei três potes e outro, gritava, Sui, Sui, Sui! Mandacarus por todo lado, com seus afiados espinhos que mamãe utilizava como alfinetes, para marcar a bainha das roupas a serem ajustadas na máquina de pedalar. Apesar de tantos espinhos, flores exuberantes e frutos deliciosos eram apreciados pelos passarinhos. Lá no fundo, ouvia-se a máquina de sisal de meu avô desbravando as fibras das Agaves. Um barulhinho gostoso, suave, que o vento levava misturado com o remexer das folhas dos galhos das cajazeiras, perfumando toda a Laranjeira. Quando a noite caía os grilos e sapos assumiam a sinfonia e a lua cercada de estrelas, iluminavam todo o terreiro. Dava para ver os meus bois de barro secando na mureta. De tanto balançar na rede o sono logo vinha e mesmo com medo das cobras indesejadas, éramos crianças e como anjos dormíamos. Sabíamos que nossos protetores estavam sempre de vigia.
Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+