Busca avançada



Criar

História

A mudança para os Alagados

História de: Helvécio Celestino de Carvalho
Autor: Coleção Alagados
Publicado em: 31/12/2020

Sinopse

Em face da cotidiana dificuldade de transporte de um lado para o outro da cidade, Helvécio decide se mudar para os Alagados. Assim, negocia uma casinha deixada por alguns jesuítas americanos.

Tags

História completa

(...) Quando eu vim de Portugália, eu trabalhava no hospital, pegava o ônibus, saltava no elevador, eu subia e descia, pegava aqui embaixo. Eu pegava dois ônibus… dois para ir, dois para voltar. E lá no Vasco da Gama, que eu morei no Vasco da Gama uma temporada, foi quando eu trabalhava aqui, e em Maçaranduba e chovia de noite. (...) Eu trabalhava aqui e pegava os ônibus tarde da noite. E chovia (...) Chovia de noite. E eu digo: “- Ih, sabe de uma coisa? Eu vou arranjar uma casa para eu morar aqui embaixo”. Padre Gardenal disse: “- Procure a casa pra a gente comprar”. Aí eu saí procurando. Em Maçaranduba olhei duas e não gostei. Não tinha saída, era um beco, não gostei. Aqui morava uns padre americano, jesuíta americano e eu digo: “ - Vou aí procurar nos Alagados.” Aí, quando foi um dia, o padre jesuíta disse assim para mim: “- Rapaz, você trabalha tão longe daqui, não nos custa nada. Nós vamos indo embora e deixamos essa casa pra vocês”. (...) Os padre americano iam embora e disse: “- Tem essa casinha aqui...” Ai era uma casinha baixinha, lá na frente (…) Ai eu dei entrada, naquela época era de 3 mil… pagamos 7… Aí eu fui trabalhar com os jesuítas. (...) Você sabe que ainda tem esse recibo guardado? Eu morei uns 2 anos na casinha baixinha de taipa. E esses jesuítas quando moravam aqui, eu trabalhava no centro depois ia pro hospital. Eu sentava pra almoçar mais eles. Eles compravam cachaça, cachaça Pitu… cachaça Saborosa… destilada… todo o tipo de cachaça. Botava na mesa, batia um limão. Botava cachaça com limão e dizia: “- Uísque americano!” (risada). Quem visita o alambique sente o cheiro. Davam um copinho desse tamainho pra você experimentar a cachaça. Mas bebia cachaça lá em casa! Me mudei pro barraco...Eu cheguei aqui em 70, vim de lá de Vasco da Gama, quando foi no 73 eu comecei a construir. Me mudei pro barraquinho aqui. Aí comecei a construir.

Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+