Busca avançada



Criar

História

A importância da família na prevenção do uso de drogas

História de: Adélia Menezes da Silva
Autor: Museu da Pessoa
Publicado em: 14/07/2020

Sinopse

Em seu curto depoimento, Adélia Menezes compartilha sua experiência de uma década na diretoria de ensino e seu papel no programa de prevenção ao uso de drogas, a importância fundamental da família e da comunidade no projeto e o impacto positivo na sociedade.

Tags

História completa

P/1 - Por favor, diga seu nome, local e data de nascimento.

R - Meu nome é Adélia Menezes da Silva, sou supervisora de ensino da diretoria de ensino de Fernandópolis. Data de nascimento, 28 de abril de 1945.

P/1 - Por favor, sobre o projeto "Prevenção também se ensina", qual é a sua opinião sobre ele?

R - Faz aproximadamente dez anos que eu trabalho nas escolas e na diretoria de ensino em linhas de prevenção à droga, ao uso e abuso de drogas. E é um projeto que a gente não consegue medir o resultado a curto prazo e também com números. O resultado desse projeto é a vida que mede, através da conscientização do aluno. E esse é um dado que a gente não tem: quando é que o aluno está conscientizado, em que momento, quantos eu consegui conscientizar? É a vida que vai... é a qualidade de vida que a gente consegue conscientizar o aluno para que ele tenha, e com isso não usar a droga, é que vai nos dar o resultado desse projeto. Isso a gente tem visto acontecer com os jovens, em depoimentos de alunos que já saíram da escola, dentro da própria escola, e mesmo com as ações que a escola promove. Porque a linha da prevenção está, principalmente na nossa diretoria de ensino, ela está na valorização da vida, na valorização da família, trazendo a família para dentro da escola, para que ela possa participar de toda a vida escolar do filho. Também em saúde e auxílio à sexualidade, ajuda na orientação sexual e também contra violência, nós também temos ações contra a violência. E o que a gente pode perceber é que as escolas, nesses temas, ela organiza as suas ações, que já fazem parte da proposta pedagógica de cada escola, do plano pedagógico de cada escola, e durante o ano. A gente tem todos esses fatos registrados e participação muito grande da comunidade. A gente já conseguiu uma aproximação bem grande da comunidade na escola, vamos dizer assim, com o que nós tínhamos há dois, três anos atrás.

P/1 - Isso também você está respondendo "A comunidade presente"?

R - É, eu estou respondendo "A comunidade presente" e "Prevenção", porque nós chegamos em um ponto em que nós não conseguimos mais separar comunidade e prevenção. Porque a gente foi amarrando as ações, e amarrando até a nossa própria conscientização de trabalho, a nossa maneira de trabalhar, porque se nós não trouxermos a comunidade para dentro da escola, e esse é um fator de elevação da auto-estima da criança, da criança e do jovem, saber que o pai está ali, não é porque o jovem já cresceu que ele não quer mais o pai acompanhando a sua vida. Ele tanto quer que nós temos, assim, presenciado ações belíssimas, quando o jovem reencontra sua família dentro da escola. O jovem reencontra o seu pai e a sua mãe. Ele dá um abraço no pai e na mãe que ele nunca deu e nunca recebeu. Nós tivemos, assim, ações que nos proporcionaram momentos de muita emoção, de reencontro de famílias. E nós percebemos que se a gente não fizesse esse trabalho, nós não conseguiríamos ir para a valorização dessa vida. Como é que eu vou valorizar alguém que não tem ninguém que o valorize e que está perto dele, que é a família. Então, nós partimos daí, a família conscientizada da responsabilidade dela com a criança, com o filho criança e o adolescente, e a partir daí aquelas ações pontuais de informação sobre a droga, os perigos, e tudo o mais. Mas esse assunto droga é um assunto que fica mesmo em ações pontuais. Ele não é um cotidiano droga, droga, droga. Não, o nosso cotidiano é na linha de valorização da vida, na construção do cidadão, tanto que nós temos projetos lindos sobre cidadania, principalmente solidariedade. Solidariedade é um tema deste ano, porque foi o ano do voluntariado, foi um tema explorado em todas as escolas da diretoria de ensino.

P/1 - A gente quer agradecer a sua entrevista, muito obrigada.

R - Eu agradeço, e estamos à disposição.   

Ver Tudo PDF do Depoimento Completo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+