Busca avançada



Criar

História

A história continua - A vida de Leonardo Silvart - Parte 2

História de: Leonardo Silvart
Autor: Leonardo Silvart
Publicado em: 28/10/2015

Sinopse

Essa história não é continuação da primeira, é apenas outro fato da minha vida, outro fato da minha história que sempre CONTINUA... Narro aqui, em algumas palavras coisas que aconteceram quando eu assumi que era gay, e as coisas que mudaram em mim, desde o ano do fato (2012) até o presente momento (2015).

Tags

História completa

Quando eu assumi ser gay, em 2012, e sabia que o mundo não iria acabar... Um amigo me disse: "... Mas tu não vai andar rebolando e falar miando, né?" Eu respondi: "Não, não sou desse tipo. Vou continuar quem sou." Quando me perguntavam: "Tu é afeminado?" Eu respondia: "Não." As vezes, até mesmo eu perguntava: "Você é discreto?" E se a pessoa dissesse "sim", eu seguia normal... Mas se ela dissesse "não", eu fingiria seguir normal, inventaria uma ou mais desculpas, cortava o assunto e desejava não mais a encontrar. Quando eu assumi, teve pessoas em minha família que disseram que não iriam aceitar, mas que pouco tempo depois, passaram a me proteger com unhas e dentes. Quando eu assumi, teve pessoas em minha família que disseram que eu poderia ser quem eu quisesse ser, e que ficariam do meu lado, mas até hoje, não suportam a ideia d'eu ser gay, não querem ver beijo, não querem ver toque, não querem me ver ao lado de alguém do mesmo sexo. Hoje eu percebo que o "não afeminado" que eu dizia ser, ou que o "discreto" que afirmava que eu era, não passava do meu preconceito gritando alto e das regras da sociedade que dizem: "Tem pênis, a roupa será azul. Irá namorar várias mulheres. Terá jeito de homem, voz grossa... Vai gostar de brincar de carrinho e jogar futebol..." Aprendi que não existe preferência e que existe preconceito. Se houver um negro e um branco sentados no banco, e alguém disser "olhe para o ladrão!", qual você olharia primeiro? A luta por respeito, não é minha. Eu não respondo mais quando perguntam se sou discreto, isso realmente não importa. Realmente precisamos esconder quem somos? Realmente devemos gostar apenas do que fica estampado na televisão? Se colocar um homem de saia, no Brasil ele será taxado de gay, muitos talvez até nem falem com ele... Enquanto em outros lugares do mundo, usar saia é normal. O menino que morreu afogado na praia comoveu o país... Comoveu o mundo... Mas há milhões de outros morrendo todos os anos e por que não nos comovemos? Tudo se liga, por isso, se me perguntarem hoje "quem eu sou?", eu direi: "Sou gay, sou negro, sou "afeminado", sou "transgênero", sou "mulher, sou eu, sou "você", sou humano..." ‪#‎PorUmMundoMelhor‬ ‪#‎aLutaÉPorTodos‬ Ninguém quer ser melhor do que outro. O que queremos é IGUALDADE, porque enquanto houver rejeição, há diferença. Enquanto você segurar mais firme a bolsa, ao ver um negro passar, é porque eu não sou igual à você. Enquanto for assim... ‪#‎VaiTerCotas‬! ‪#‎VaiTerCaraNoSol‬ ‪#‎VaiTerProtesto‬!

Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+