Busca avançada



Criar

História

A doação de si

História de: Eurídice dos Santos Chagas
Autor: Coleção Alagados
Publicado em: 03/02/2021

Sinopse

Eurídice narra sobre como a vinda do Papa aos Alagados esteve intimamente relacionada ao aumento de sua fé e à sua maior dedicação às atividades da Igreja.

Tags

História completa

Aqui o bairro pra mim como é que diz, apresenta muita coisa né e principalmente da minha religião, na minha fé não é. Porque tudo mudou pra mim, eu acho assim mudou, eu tive uma mudança muito grande quando o Papa chegou aqui não é, porque eu era de igreja, eu ia na missa, mas sem compromisso. Mas quando o Papa chegou aqui nos Alagados, como pra mim, como para o meu esposo né, que não se encontra mais né, pra mim foi uma, a minha fé aumentou muito mais viu, porque eu ia nas missas eu não frequentava nem aqui a igreja do Alagados, eu frequentava a igreja dos Mares. Ia nas missas, mas no dia de domingo. Eu ia assim outro dia eu não ia, só de domingo, mas quando aí as pessoas falavam pra mim assim “Eurídice você mora aqui nos Alagados, você pertence a igreja do Alagado” aí eu olhei e disse assim: “- Olhe, então eu vou participar da minha igreja”. Então quando o Papa chegou aqui, eu não me afastei mais daqui do Alagados. Como é que diz, o que eu pude servir eu servi aqui no Alagados. Só deixei assim.. como é que diz... deixei de frequentar vamos dizer, não deixei de frequentar não é, mas por causa da minha situação né, problema de saúde foi que eu deixei. Mas enquanto eu tinha força eu estava lá como é que diz servindo. Essa chegada do Papa aí pra mim, minha filha, foi tudo! Por isso que eu digo, a minha fé aumentou, eu tenho isso que minha fé aumentou quando o Papa chegou aqui. E não foi eu sozinha não, muita gente aqui sentiu. Sentiu muita fé porque pra mim vixe, cheguei aí, pronto: não sai mais! Me dediquei mesmo na igreja viu e dizia: “ - Oxe, aí coisa! Logo no início eu lavava roupa da igreja toda; quem lavava era eu. Eu arrumava a igreja toda. O trabalho de Edilene era eu. Quem fazia era eu né, quem fazia era eu. Às vezes as pessoas diziam assim: “Mas Eurídice, você não aguenta!” Eu digo: “Gueeento sim! Eu só vou deixar de fazer o trabalho da igreja quando eu num guentar”. E foi justamente quando eu não aguentei. Eu caí, desci e pronto. Aí eu não tive mais o que fazer e pronto, aí eu deixei. Mas tudo tudo tudo.. vixe.. não tinha coisa... Ave Maria... Eu subia nessa igreja, olha pra dizer a verdade, eu ía na igreja umas duas, três vezes assim. Subia aquela ladeira, voltava e não me cansava. Quando era tempo de casamento arrumava a igreja, fazia tudo! Tudo, tudo quem fazia era eu. Tudo, ficou aqui assim (coloca a mão no peito),a falta que eu sinto né. Quando eu tinha...

Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | atendimento@museudapessoa.org
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+